CASO MARIELLE FRANCO

PGR denuncia irmãos Brazão ao Supremo

O delegado Rivaldo Barbosa também foi acusado de participar do planejamento do assassinato da vereadora do RJ

Agência Brasil
10/05/2024 às 13:45.
Atualizado em 10/05/2024 às 13:45
O deputado Chiquinho Brazão (foto), seu irmão, Domingos Brazão, e o delegado Rivaldo Barbosa foram formalmente denunciados pela PGR por planejarem e determinarem o assassinato da vereadora Marielle Franco e do Motorista Anderson Gomes (Zeca Ribeiro/Camara dos Deputados)

O deputado Chiquinho Brazão (foto), seu irmão, Domingos Brazão, e o delegado Rivaldo Barbosa foram formalmente denunciados pela PGR por planejarem e determinarem o assassinato da vereadora Marielle Franco e do Motorista Anderson Gomes (Zeca Ribeiro/Camara dos Deputados)

A Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentou denúncia contra o deputado Chiquinho Brazão (sem partido- RJ), seu irmão Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, e o delegado da Polícia Civil do Rio de Janeiro Rivaldo Barbosa.

Os três são acusados de planejar e ordenar a morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. A denúncia foi apresentada na terça-feira no processo sigiloso que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF). Os acusados estão presos desde o dia 24 de março, por ordem do relator do caso, ministro Alexandre de Moraes.

Eles negam participação no crime. Ontem, a Polícia Federal (PF) cumpriu dois mandados de prisão preventiva contra Robson Calixto da Fonseca, assessor de Domingos Brazão, e o policial militar Ronald Alves de Paula, conhecido como major Ronald.

Considerado um dos líderes de uma milícia da zona oeste do Rio de Janeiro, o major Ronald atualmente cumpre pena em uma penitenciária federal por outros crimes. Passados cinco anos do assassinato de Marielle e Anderson, as investigações tiveram avanço após o ex-policial militar Ronnie Lessa, réu confesso por executar o crime, ter fechado um acordo de delação premiada.

Foi Lessa quem apontou para os irmãos Brazão como mandantes, o que fez com que o caso fosse remetido ao Supremo, neste ano, em razão do mandato de deputado federal de Chiquinho Brazão.

O parlamentar está preso preventivamente na prisão de segurança máxima em Campo Grande (MS), enquanto Domingos foi levado para o presídio federal em Porto Velho. Rivaldo Barbosa está preso na penitenciária federal em Brasília.

DEFESA

Em nota, a defesa de Chiquinho Brazão disse que ainda não teve acesso à denúncia apresentada pela PGR, bem como ainda não conhece os termos das delações no caso. "Assim, ainda não é possível fazer um juízo de valor sobre as acusações".

O advogado Cleber Lopes disse que irá se manifestar com mais detalhes "assim que o relator do caso permitir que a defesa conheça todos os elementos produzidos pela investigação". Os advogados Marcelo Ferreira e Felipe Dalleprane, que representam o delegado Rivaldo Barbosa, também afirmaram que ainda não tiveram acesso ao documento da PGR.

Eles acrescentaram que "causou estranheza à defesa o fato de nenhum dos investigados ter sido ouvido antes da denúncia, em total afronta à decisão do ministro Alexandre de Moraes, que havia determinado a oitiva dos investigados logo após a prisão".

Em nota, os defensores sustentaram ainda que, no caso de Barbosa, "a narrativa de um réu confesso de homicídio (Ronnie Lessa) parece mais importante do que o depoimento de um delegado de polícia com mais de 20 anos de excelentes serviços à segurança pública do RJ, que sequer teve a chance de expor sua versão sobre os fatos antes de ser denunciado, uma verdadeira demonstração de inversão de valores". 


*A Agência Brasil tentava, até o fechamento desta matéria, contato com as defesas dos demais citados. 

Assuntos Relacionados
Compartilhar
Correio Popular© Copyright 2024Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por