Publicado 29 de Novembro de 2021 - 17h21

Por Cibele Vieira / Caderno C

As bonecas de tecido e outros artesanatos produzidos pelo Grupo Primavera agora alcançaram o e-commerce

Divulgação

As bonecas de tecido e outros artesanatos produzidos pelo Grupo Primavera agora alcançaram o e-commerce

É preciso sonhar. Se não, despertar sonhos; se não, acreditar que é possível alcançá-los, não há motivação para se dedicar ao desenvolvimento. Com esse pensamento, Ruth Maria de Oliveira, gestora técnica do Grupo Primavera, tem trabalhado para viabilizar economicamente os programas da instituição, sem deixar de lado o olhar humano e o senso de acolhimento. Suas bonecas de tecido e outros artesanatos agora alcançaram o e-commerce, dando maior visibilidade aos produtos - feitos por voluntários e por costureiras da comunidade - muitas vezes confeccionados com retalhos de tecidos que seriam descartados. Com eles, o consumidor apoia os programas de educação complementar, cultural e profissional.

Fundada em 1981, a entidade recebe atualmente cerca de 500 crianças, adolescentes e jovens de 6 a 18 anos moradores no entorno do Jardim São Marcos, incluindo suas famílias. “O ingresso no Primavera segue critérios como perfil socioeconômico vulnerável e a necessidade de estarem matriculados na rede pública de ensino”, explica Ruth. Cerca de 150 voluntários e 45 funcionários e prestadores de serviços conduzem hoje cursos de Arte e Cultura, Artes Visuais, Artes Digitais, Trabalhos Manuais, Raciocínio Lógico, Informática e Inglês. Há, ainda, o Pacto (Preparando Adolescentes para o Colégio Técnico) que registra índice de mais de 70% de aprovação, e o Programa Jovem Aprendiz, que prepara para o mercado de trabalho.

As bonecas e outros artesanatos são colocados à venda na Oficina Primavera, um espaço físico mantido no Galleria Shopping, que é a principal vitrine da entidade há 12 anos. Nesse ponto são comercializados, além da produção própria, artesanatos regionais por meio de parceria com entidades de outras regiões do país. Desde 2009, quando o Galleria cedeu espaço para a loja, o ponto de vendas no bairro foi fechado. Uma iniciativa recente – anunciada em outubro – em comemoração aos 40 anos da instituição é a criação da plataforma Artesanato Solidário, que por meio do e-commerce https://grupo-primavera.lojaintegrada.com.br/ passou a vender bonecas, máscaras de tecidos, lembrancinhas e opções de presentes. “Nossa ideia é alcançar um público diferente, interessado em fazer girar a roda da solidariedade. Ao comprar nosso produto ele apoia os programas”, explica a gestora.

Tudo começou no Itatinga

O trabalho do Grupo Primavera começou de maneira inusitada e sem qualquer estrutura formal. Voluntárias que prestavam assistência a mulheres da zona de prostituição do Jardim Itatinga, no início da década de 1980, descobriam que muitas moravam na região do São Marcos. Por isso, decidiram começar um trabalho preventivo com as meninas do bairro. Coordenadas por dona Jane Sieh, três voluntárias iniciaram um atendimento informal com as primeiras interessadas: seis meninas que uma vez por semana se reuniam com as voluntárias na sombra das árvores do quintal do Centro de Saúde do bairro. Nesses encontros de muita conversa e carinho, elas aprendiam a bordar em ponto cruz enquanto recebiam noções de valores e princípios por meio de parábolas bíblicas.

Por meio do bordado – que é o carro chefe da instituição até hoje – as meninas aprendiam também conceitos práticos como pontualidade, higiene, criatividade, respeito. Quando a Igreja Católica doou um imóvel para o trabalho (sede da entidade até hoje), foram ampliados os atendimentos, sendo conduzidos apenas por voluntários durante 15 anos. Com as leis de incentivo fiscal os programas puderam ser ampliados, funcionários contratados e logo depois os atendimentos passaram a ser diários no contraturno escolar. Os meninos também começaram a frequentar a entidade, mas trabalhando com madeira - pintura, criação de materiais sonoros entre outros – para estimular trabalho em equipe, organização, troca de ideias, criatividade e outras habilidades.

Oficina de bonecas

As bonecas de tecido se tornaram o produto símbolo do Grupo Primavera, embora hoje não seja mais a principal fonte de renda. Sua história nasceu de uma parceria com a empresa Little Souls, dos Estados Unidos, cuja proprietária Gretchen Wilson cooperava com iniciativas sociais de países emergentes. Em 1997, após a transferência da forma de confecção das bonecas patenteadas pela empresa e treinamento da equipe do Primavera, a fabricação das bonecas na entidade no Brasil foi iniciada. No ano seguinte, o projeto venceu o Concurso Ideias Inovadoras em Captação de Recursos, promovido pela Ashoka com patrocínio da Fundação Ford. Com um Plano de Negócios orientado pela Consultoria McKinsey, em 1999, a entidade recebeu recursos do BNDES para construção de sua oficina.

Tudo isso impulsionou a produção que, em 2004, já era superior a 16 mil peças anuais, tornando-se um símbolo do Grupo Primavera. As Bonecas Brotinho – nome brasileiro para as bonecas Little Souls – são comercializadas em shopping centers, lojas, feiras, eventos e chegaram a ser exportadas. Foram criadas várias versões e modelos, inclusive as personalizadas para brindes de empresas. A gestora Ruth conta que “essa oficina ajuda na captação de recursos para sustento e viabilidade da instituição e contribui para a geração de renda também em famílias da comunidade, onde costureiras são treinadas e recebem por produção”. Ela esclarece que “o trabalho artesanal feito pelas crianças - como os bordados - não é vendido, fica para elas. Toda venda é proveniente da produção artesanal das voluntárias, funcionários e da comunidade”.

Desafios do cotidiano

Ruth Maria de Oliveira, gestora técnica do Grupo Primavera, ingressou na entidade há 17 anos como professora de História e Geografia no programa Pacto. Logo detectou que não adiantava tentar ensinar quem não enxergava perspectivas, não conhecia outros mundos para conquistar. “Lutamos para despertar sonhos, para que essas crianças e adolescentes acreditem que o mundo que existe do outro lado da ponte (que separa o bairro) é acessível a eles também”, diz. E enfatiza: “é com educação que conseguimos melhorar nosso território. Aqui já melhorou, vemos crianças que estudaram, fizeram colégio técnico, se desenvolveram e hoje são exemplo, vira uma corrente do bem. Melhora a situação familiar da criança. Muda a vida, a rua, o bairro”.

Em 40 anos de existência, a instituição atendeu mais de 11 mil pessoas por meio de seus programas de educação complementar, cultural e profissional, reduzindo os riscos sociais dessa população. Durante a pandemia a entidade manteve as aulas por meio de recursos digitais, atividades impressas que eram entregues às famílias junto com a cesta de alimentos e, também, por grupos de WhatsApp para interação. Ruth comenta que o momento ainda é bastante crítico devido ao alto índice de desemprego. Ela acredita que os alunos voltam bastante fragilizados pelas perdas familiares, pela situação econômica e por terem ficado reféns da violência e abusos nesse período de isolamento. Por isso, acredita que o maior desafio no retorno as aulas presenciais será cuidar das emoções.

ANOTE

Grupo Primavera

Tel.: (19) 3746 7990

http://gprimavera.org.br

R. Luís Aristeo Nucci, 30 - Jardim São Marcos – Campinas/SP

Loja física: Oficina Primavera no Galleria Shopping

E-commerce: https://grupo-primavera.lojaintegrada.com.br/

Escrito por:

Cibele Vieira / Caderno C