Publicado 31 de Agosto de 2021 - 16h45

Por Katia Fonseca

O fisioterapeuta Humberto Akira Takahashi:

Diogo Zacarias

O fisioterapeuta Humberto Akira Takahashi: "A técnica é muito eficaz, inclusive, no tratamento de fibromialgia e de cefaleia"

A dor nas costas é o problema de saúde que mais atinge os brasileiros. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que o incômodo atinge mais de 16% da população ativa. Com a pandemia de Covid-19 e a consequente necessidade de ficar mais tempo em casa e de trabalhar em home office, o desconforto cresceu ainda mais. Para se ter uma ideia, no ano passado o Google Trends, que é o serviço de análise de tendências do popular buscador, chegou a registrar o significativo aumento de 76% na pesquisa pelo termo “dor nas costas”.

A boa notícia é que uma técnica criada no Brasil, mais especificamente em Campinas, promete aliviar crises não somente de dor nas costas, mas também outras dores musculoesqueléticas e ser uma eficiente aliada no tratamento de desvios posturais. Trata-se do método de Integração Postural por Terapia Manual (IPTM), desenvolvido pelo fisioterapeuta Humberto Akira Takahashi, que tem mais de 20 anos de experiência em atendimento clínico fisioterapêutico.

Ele explica que a técnica que trata as dores e os desvios com a mão foi criada em 2001 e validada cientificamente como tema de sua dissertação de mestrado pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em 2016. Agora em junho de 2021, foi publicado um artigo científico internacional na revista “The Foot” como Postural Integration by Manual Therapy (PIMT), já que a pesquisa foi focada no tratamento do desvio do retropé valgo, que seria um tornozelo voltado para dentro ou pisada pronada. “A técnica baseou-se em um novo conceito e agora é validada mundialmente”, diz.

O fisioterapeuta, que é formado pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), afirma que seu objetivo era ter uma técnica mais eficaz e mais rápida do que as tradicionais. “Com a IPTM, trato com as mãos as dores musculoesqueléticas e os desvios posturais ao mesmo tempo”, esclarece.

A lógica da IPTM

O fisioterapeuta explica que o corpo humano é formado por músculos e articulações que fazem parte de engrenagens que se encaixam e cada peça precisa estar no seu devido lugar para resultar em movimentos livres e sem dor. Ou seja, na biomecânica do corpo humano, se tivermos micromovimentos ajustados, teremos macromovimentos de qualidade, conforme ele esclarece. “Se relacionarmos com a reabilitação física e caso o paciente seja um atleta e não esteja com as articulações e a musculaturas devidamente ajustadas, não adianta o terapeuta passar exercícios ativos, como, por exemplo, um treinamento funcional, pois haverá uma grande probabilidade de ter uma recidiva na lesão no próprio local ou em outro ponto do corpo devido a compensação biomecânica que a lesão antiga causou”, afirma.

Por isso, o objetivo da técnica IPTM é promover estes ajustes com qualidade em pouco tempo para que o paciente consiga realizar movimentos ativos, livres e sem dor em sua plenitude.

A regra biomecânica criada por Takahashi é a convexo-convexo. De acordo com ele, todo desvio postural tem um padrão com um lado convexo acentuado que seria anulado ou minimizado com auxílio da mão do terapeuta e, do lado oposto, de um artefato de forma abaulada, sendo essa parte o outro lado convexo, que fica diretamente em contato com a parte do desvio postural. Assim é feito o realinhamento desta região com resultados efetivos em apenas algumas sessões.

Importante salientar também que o método IPTM pode ser associado a outras atividades físicas para melhorar o rendimento como pilates e musculação terapêutica.

Resultados rápidos e eficazes

Músculos, articulações e ossos são tratados com a IPTM. Mas para passar pelo tratamento, primeiramente é necessária uma avaliação do profissional, pois uma dor musculoesquelética pode ter origem em pontos como mão, cotovelo, ombro, coluna, quadril, púbis, joelhos, pés e até na Articulação Temporomandibular (ATM). “A IPTM é muito eficaz, inclusive, no tratamento de fibromialgia e de cefaleia”, diz.

O atendimento é feito em sessões individuais de uma hora e os resultados costumam aparecer bem rápido. “É claro que varia de acordo com cada caso, mas, no geral, com duas a três sessões o paciente já apresenta melhora”, esclarece.

Já em casos de desvios posturais, o método IPTM não só alivia as dores, como também atua de maneira preventiva das consequências estéticas provenientes deles, podendo estar relacionada, por exemplo, à hiperextensão cervical, hipercifose torácica, escoliose, hiperlordose lombar, joelhos valgos e pé plano, mais conhecido como pé chato, entre outros.

Elsa Maria Verardo, de 68 anos, com diagnóstico de fasciíte plantar no pé esquerdo, que a impossibilitava de caminhar direito e tinha muita dor, fez duas sessões e já se sentiu aliviada. “Antes, fiz 18 sessões de fisioterapia convencional, mas não resolveu. Com apenas dois atendimentos com o Dr. Humberto, já estou andando sem dor e até jogando tênis”, conta.

O paciente Eduardo Tadeu Baracat, de 61 anos, já aprovou a nova técnica “No início do ano, senti uma forte dor na região lombar, fiz alongamentos, tomei anti-inflamatórios e fui até ao hospital, mas continuava com dor. Procurei o Dr. Humberto e no primeiro atendimento já senti uma grande melhora. Após a segunda sessão, minha vida voltou ao normal”, revela.

Com Leonardo Almeida, de 25 anos, não foi diferente. “Fui diagnosticado com síndrome de impacto femoroacetabular, tinha muita dor e estava com a mobilidade restrita, o que me impossibilitava de praticar Jiu-Jitsu e corrida. Fiz inúmeras sessões de fisioterapia convencional e operei o quadril do lado direito. As dores diminuíram, mas não passaram. Quando já tinha marcado a cirurgia do quadril esquerdo, conheci o Dr. Humberto e com apenas nove sessões eu melhorei. Hoje não tenho dores, pratico exercícios normalmente e não precisei realizar outra cirurgia”, comemora.

Serviço

Clínica HAT-IPTM (Rua Doutor Miguel Penteado 244, Jardim Chapadão - Campinas). Tel. (19) 3242-0509

www.hat-iptm.com.br

Instagram @institutohat e facebook.com/iptmcampinas

Escrito por:

Katia Fonseca