Publicado 13 de Janeiro de 2022 - 10h20

Por Lucas Rossafa / Correio Popular

Ivan já defendeu a Seleção Brasileira comandada pelo Técnico Tite; atleta era avaliado em R$ 32 milhões

Divulgação

Ivan já defendeu a Seleção Brasileira comandada pelo Técnico Tite; atleta era avaliado em R$ 32 milhões

Ídolo da torcida, Ivan está realmente de saída da Ponte Preta. Em negociação praticamente fechada, o goleiro foi liberado pela diretoria executiva para realizar exames médicos e clínicos no Corinthians e não veste mais a camisa da Macaca.

Com evolução recente nas tratativas, a tendência é de que a transferência seja sacramentada de forma oficial nos próximos dias com assinatura de contrato em definitivo por quatro temporadas.

Lapidado nas categorias de base, o arqueiro desperta o interesse há algumas semanas do Timão, que busca um reserva imediato de Cássio para compor o elenco dirigido por Sylvinho a partir de 2022.

Agenciado por Fernando Garcia, da Elenko Sports, com ótimo trâmite no Parque São Jorge e também no Estádio Moisés Lucarelli, o camisa 1 tem contrato vigente junto à Macaca até 1º de abril de 2023 e, na teoria, 100% dos direitos econômicos vinculados ao clube de origem.

Boa parte, porém, dessa porcentagem está comprometida por conta de empréstimos realizados pelas gestões anteriores da Alvinegra, que deu como garantia o passe do profissional.

Classificado como 'cheque especial' por Tiãozinho, Ivan sequer vai disputar o Campeonato Paulista pela Ponte Preta, que deve recebeu pouco ou quase nada pela transação.

A identidade dos valores, por enquanto, é mantida sob sigilo pelas partes envolvidas no negócio.

“Dificilmente, nós vamos obter qualquer lucro financeiro com a venda do Ivan ou algum número financeiro. Com o Ivan, apesar dos direitos federativos pertencerem à Ponte, como a própria diretoria passada informou à imprensa, a Ponte contratou mútuos tendo a venda como garantia. Esses mútuos não foram pequenos. É algo da ordem de R$ 10 milhões ou R$ 12 milhões”, explicou Marco Antônio Eberlin, em entrevista coletiva.

“Então dificilmente a Ponte vai aferir algum numerário financeiro com a saída do Ivan e muito menos ter o controle da saída do Ivan, porque, diante da categoria dele e da procura que existe, o Ivan possivelmente pode sair”, emendou o presidente.

Os cartolas campineiros não escondem de ninguém a necessidade de vendê-lo para ter o sonhado 'respiro financeiro'.

No começo de 2020, quando era cotado para ser o titular nos Jogos Olímpicos de Tóquio e tinha sido convocado por Tite à Seleção Brasileira, o goleiro tinha preço estipulado de cinco milhões de euros, o equivalente a R$ 32 milhões na cotação atual.

As cifras, todavia, despencaram em dois anos, muito por conta dos nove meses de inatividade - de novembro de 2020 até junho de 2021 - em decorrência de cirurgia ligamentar para corrigir lesão no punho direito. Por isso, sequer foi convocado para disputar as Olimpíadas.

No mercado após saídas definitivas de Walter e Caíque França para Cuiabá e Ponte Preta, respectivamente, o Corinthians quer em Ivan um nome com maior bagagem no futebol para ser a reposição de Cássio, já que Matheus Donelli será negociado.

A diretoria pontepretana promete se pronunciar, caso a venda seja oficializada, com informações à torcida e à opinião pública, conforme nota divulgada pela assessoria de imprensa,

Escrito por:

Lucas Rossafa / Correio Popular