Publicado 21 de Julho de 2021 - 0h07

Por Lucas Rossafa/ Correio Popular

Embora o técnico Gilson Kleina tenha tentando, as mudanças realizadas não surtiram os efeitos esperados

Jhony Pinho/Estadão Conteúdo

Embora o técnico Gilson Kleina tenha tentando, as mudanças realizadas não surtiram os efeitos esperados

Em duelo direto na luta contra a zona de rebaixamento, Ponte Preta levou a pior e foi derrotada pelo Vitória, neste terça-feira (20) à noite, pelo placar de 1 a 0, no Barradão, em duelo válido pela 13ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro.

O gol do triunfo do Leão foi marcado pelo volante Pablo Siles, em finalização de longa distância, aos sete minutos do segundo tempo.

Com segundo revés consecutivo, Macaca, sem vencer há cinco duelos e em crise profunda, estaciona em nove pontos - empatado com o Londrina - e ainda na vice-lanterna.

O Rubro-Negro, por sua vez, escapa da degola, escala três posições, salta a 12 tentos e assume 15ª colocação de forma provisória.

O jogo

Gilson Kleina decidiu colocar em campo uma escalação com quatro novidades em relação à derrota diante do Remo e, a princípio, não viu falta de entrosamento.

O treinador optou pelas entradas de Fábio Sanches e Rafael Santos no sistema ofensivo, além de Vini Locatelli e Josiel do meio-campo para frente e assistiu a bom futebol até certo instante.

Embora estivesse na condição de visitante, a Ponte Preta não se intimidou e ditou ritmo do confronto na metade do primeiro tempo, haja vista exigir primeira defesa de Ronaldo com menos de um minuto, em arremate de Vini Locatelli.

Com ataque veloz e com boa movimentação, a Macaca levou perigo principalmente nas investidas de Moisés pela ponta esquerda.

O ímpeto ofensivo e a postura um tanto quanto surpreendente foram abafados a partir do crescimento do Vitória.

No intervalo de cinco minutos, Dinei, em cabeceio forte, exigiu defesa acrobática de Ivan, enquanto David desperdiçou finalização embaixo da trave.

Motivado, o Rubro-Negro tomou as rédeas do confronto e ensaiou nova pressão nos minutos finais com arremates de Eduardo, bem defendida pelo arqueiro alvinegro, e Wesley Pionteck.

Com os laterais tímidos no apoio e limitados a se defender, a Alvinegra praticamente não teve força para manter desempenho do começo e desceu aos vestiários em pior momento.

A atuação instável foi repetida pela Ponte Preta na etapa final. Foram necessários, inclusive, apenas sete minutos para Vitória abrir o placar, em finalização de longa distância de Pablo Siles e com curva, sem chances para Ivan - segundos antes, Cedric já tinha acertado o travessão.

Mais na base do desespero, Gilson Kleina promoveu três trocas por atacado para Ponte Preta tentar o empate, inclusive com aposta de Lucas Cândido, inativo desde janeiro de 2021, para tentar consertar o meio-campo, dominado pelo rival.

A decisão por colocar em campo três volantes com necessidade de buscar o resultado positivo minou sistema de criação do time campineiro, que não levou perigo ao gol defendido por Ronaldo Alves até os acréscimos do segundo tempo.

Apesar de ter a posse de bola enquanto Vitória focou na defesa e tentou apenas contra-atacar, Ponte Preta abusou dos cruzamentos graças ao baixo poder de criar jogadas e passou longe de balançar as redes na Bahia.

FICHA TÉCNICA 

VITÓRIA 1 x 0 PONTE PRETA

Vitória: Ronaldo; Cedric, Mateus Moraes, Marcelo Alves e Pedrinho; João Pedro, Pablo Siles (João Victor) e Eduardo (Gabriel Bispo); Wesley Pionteck (Soares), David (Guilherme Santos) e Dinei (Samuel Granada). Técnico: Ramon Menezes

Ponte Preta: Ivan; Felipe Albuquerque, Fábio Sanches, Cleylton e Rafael Santos (João Veras); André Luiz (Pedrinho), Vini Locatelli e Camilo (Renatinho); Fessin (Lucas Cândido), Josiel (Rodrigão) e Moisés. Técnico: Gilson Kleina

Gol: Pablo Siles (VIT)

Cartões amarelos: Dinei, Guilherme Santos e Pablo Siles (VIT)

Árbitro: Gilberto Rodrigues Castro Júnior (PE)

Público e renda: portões fechados

Local: Estádio Manoel Barradas, em Salvador (BA)

Escrito por:

Lucas Rossafa/ Correio Popular