Publicado 04 de Junho de 2021 - 12h40

Por Lucas Rossafa/Correio Popular

Bugre teve atuação perfeita contra o Operário; vitória contundente quebrou marcas importantes

Thomaz Marostegan/Guarani FC

Bugre teve atuação perfeita contra o Operário; vitória contundente quebrou marcas importantes

Autor do terceiro tento na vitória por 5 a 2, diante do Operário, Régis teve atuação positiva no Couto Pereira. O camisa 78 se credenciou para formar parceria com Andrigo, que ficou de fora da partida em decorrência de um desconforto no pé.

O técnico Daniel Paulista, entretanto, adotou discurso de cautela, em coletiva de imprensa, ao ser questionado sobre a chance de escalar a dupla desde o início. "Régis e Andrigo juntos é uma possibilidade. Nós também temos outras possibilidades. A gente está chegando agora e conhecendo o elenco. O Regis é um jogador que a gente conhece desde o Sport, lá em 2015, ainda quando ele estava surgindo. Ele começou na Chapecoense, e o Sport acabou adquirindo o atleta. É um jogador de muito potencial. Eu acho que também tem muito para nos ajudar e o Andrigo também. Se entendermos que devem atuar juntos vamos escala-los".

"Se em determinadas partidas optarmos por um ou por outro é porque analisamos ser a melhor estratégia para o jogo. Eu acho que o mais importante é a gente ter atletas motivados, jogadores que estão entendendo a maneira como a gente trabalha em prol do que é o melhor para o nosso coletivo, para a equipe do Guarani, e para que a gente continue conquistando bons resultados", acrescentou.

O entrosamento Régis e Andrigo, entre os titulares do Guarani, foi um dos principais desafios do ex-técnico Allan Aal durante participação no Campeonato Paulista.

Com armadores de ofício à disposição, o Bugre ainda não conseguiu reuni-los no time principal sem improvisação pelo lado direito do campo, como aconteceu com Andrigo em alguns jogos do Estadual.

No Dérbi 199 diante da Ponte Preta, por exemplo, camisa 10 foi deslocado para ponta e 'matou' o sistema ofensivo alviverde no clássico campineiro, disputado em 05 de maio.

Curiosidade

A vitória contundente contra o Operário foi fundamental para o Guarani quebrar marcas importantes sob ponto de vista ofensivo, setor tão criticado na "Era Allan Aal". Ao atropelar o fantasma na Série B do Campeonato Brasileiro, com atuação de frente perfeita, o bugre derrubou dois tabus, sendo um de quase 15 anos.

Afinal, o Alviverde não marcava cinco gols no mesmo jogo desde 02 de abril de 2017, na data de aniversário, no fim da primeira fase da Série A2 do Campeonato Paulista, por 5 a 0, contra o Sertãozinho - com Oswaldo Alvarez, tentos saíram com Eliandro (2), Uéderson, Bruno Nazário e Lorran.

Desde então, time campineiro fez quatro gols no mesmo confronto em cinco situações diferentes, sendo quatro no decorrer da campanha na Série A2, de 2018, cuja temporada foi marcada pelo acesso e título: Sertãozinho (4-2), Audax Osasco (4-2), Penapolense (4-2) e Oeste (4-0).

Na abertura do Campeonato Paulista de 2020, desta vez com Thiago Carpini à beira do gramado, o Guarani não tomou conhecimento da Internacional de Limeira e, em pleno Estádio Major Levy Sobrinho, enfiou goleada por 4 a 0, com gols de Giovanny, Romércio e Júnior Todinho (2).

Por fim, a última vez em que o bugre alcançou a marca de cinco gols longe do Estádio Brinco de Ouro da Princesa, foi em 1º de abril de 2007, também pela Série A2, na goleada diante do Atlético Sorocaba, no Estádio Walter Ribeiro, curiosamente pelo placar de 5 a 2.

Na época, sob gestão de José Luiz Carbone, Alviverde foi à rede com Deyvid, Robinho, Márcio Rocha, Macaé, de pênalti, e Gustavo, enquanto Sandro Goiano e Luizinho descontaram ao rival sorocabano.

O que vem por aí?

Líder provisório da Série B com quatro pontos em duas rodadas, o Guarani volta a campo no dia 11 de junho, diante do Náutico, em Campinas, às 21h30. Expulso em Curitiba, o goleiro Rafael Martins cumpre suspensão automática e será substituído por Gabriel Mesquita, reserva imediato.

Escrito por:

Lucas Rossafa/Correio Popular