Publicado 03 de Junho de 2021 - 11h40

Por Thaís H. Bento/Correio Popular

Durante sua passagem por Salvador, o meia Fessin atuou em 26 partidas e marcou três gols

Diego Almeida/PontePress

Durante sua passagem por Salvador, o meia Fessin atuou em 26 partidas e marcou três gols

A Ponte Preta anuncia nos próximos dias a sexta contratação para a Série B do Campeonato Brasileiro: trata-se do meia Fessin, que chegará por empréstimo do Corinthians até o fim da temporada.

O jogador se chama Jefferson Gabriel, é natural de Campina Grande-PB e defendeu o Bahia na Série B 2020/2021. A última partida dele foi dia 6 de fevereiro, depois ele retornou ao Timão, mas não seria aproveitado no clube. Durante sua passagem em Salvador, o atleta de 22 anos atuou em 26 partidas e marcou três gols.

No Corinthians, atuou no Sub-20 em 2018/2019. Na Copa São Paulo de Futebol Junior o jogador teve uma lesão na tíbia da perna direita e precisou se afastar da competição. O que o levou para a cidade de São Paulo foi o bom desempenho no ABC-RN aos 17 anos de idade.

Fessin vai se juntar aos outros cinco reforços que a Ponte Preta já anunciou: os atacantes Richard (ex-Botafogo-SP) e Josiel (ex-Cuiabá), o volante Lucas Cândido (ex-Bahia) e os laterais Kevin (Botafogo-RJ) e Rafael Santos (ex-Inter de Limeira).

Disponíveis para a segunda partida do Campeonato Brasileiro da segunda divisão estão o lateral Rafael Santos e os atacantes Richard e Josiel. Eles tiveram o nome publicado no BID da CBF e estão disponíveis contratualmente.

Kleina

Gilson Kleina, também pronto para estrear no final de semana, foi "apresentado" para a imprensa nessa quarta-feira de forma online. O treinador já comandou o time em quatro oportunidades (2011/2012, 2017, 2018 e 2019/2020) e está preparado para a sua quinta passagem.

"Eu estou precisando da Ponte, e a Ponte está precisando de mim. É essa química que temos de fazer valer novamente. Temos uma relação que todos nós temos que crescer. É o que estou me cobrando também. Sempre que passamos aqui deixamos algo, não vai ser diferente. Vai ser meu desafio, uma busca constante. Que os jogadores entendam, que façam um grupo vencedor, que não aceitem resultados negativos. Que tenhamos ambição", revelou.

Kleina iniciou os trabalhos de treinamento na terça-feira (1), após folga do elenco na segunda. Para ele, mudanças serão e precisam ser feitas, mas tudo vai ser analisado com calma.

"A forma que a gente vai estipular, se vai ser time reativo, vertical, de posse de bola, propositiva, vai depender das características do elenco. Entendo que temos uma ideia que vai ter de alinhar com o que vinha acontecendo. Entendemos que a Ponte precisa ter uma evolução, o desempenho precisa melhorar na transição defensiva. O time tem qualidade, mas, quando perde a bola, fica vulnerável. É esse entendimento que precisamos ter, criar uma identidade", disse.

"O jogo posicional é muito bem visto, mas tem que entender se temos essa condição. Para ter jogo posicional, todos jogadores precisam ser construtores. Se você for reativo, não tem problema também. Você também pode atingir seus objetivos assim", completou.

Apesar de ser a quinta oportunidade no clube, Kleina estava feliz durante a coletiva e demonstrou que irá utilizar sua experiência para que os objetivos sejam alcançados dessa vez. Em 2018 o treinador e o elenco conseguiram uma bela arrancada no fim da Série B e por critérios de desempate não conseguiu o acesso.

"Eu sempre acreditei no meu trabalho. Ter convicção do que a gente vai desenvolver. O trabalho a médio e longo prazo é que vai atingir objetivos. Eu quero conquistar para ficar, para crescer e buscar voos maiores. Quando vim na última passagem (2019), aconteceram várias situações que a gente precisou gerir. Que isso não aconteça agora e a gente possa focar apenas no trabalho de campo", afirmou.

"Quero dizer que a união da Ponte é o mais importante. Tentar fazer que todos acreditem no processo. Que os atletas representem o nosso torcedor. Que a gente possa jogar por eles, para trazer o torcedor novamente para o nosso lado. Gonzaguinha foi muito sábio ao dizer 'Viver e não ter vergonha de ser feliz'. Vamos viver e ser feliz", finalizou Kleina.

Escrito por:

Thaís H. Bento/Correio Popular