Publicado 05 de Janeiro de 2022 - 9h26

Por Karina Fusco/ Caderno C

Puderam participar todos os trabalhadores da cultura, como músicos, atores, artistas visuais, fazedores da cultura popular, inclusive as pessoas que atuam nos bastidores ou em áreas de apoio

Ricardo Lima

Puderam participar todos os trabalhadores da cultura, como músicos, atores, artistas visuais, fazedores da cultura popular, inclusive as pessoas que atuam nos bastidores ou em áreas de apoio

Quase 1.200 artistas foram classificados na primeira etapa de seleção do edital do Fundo de Investimentos Culturais de Campinas (FICC) 2021 com o Prêmio Cultura Presente. A relação foi divulgada no Diário Oficial do Município na segunda-feira, 3, listando os nomes das 1.066 aprovados no módulo individual e 121 do módulo juventude criativa, voltada para jovens de 16 a 29 anos, que estão começando na carreira artística.

Puderam participar todos os trabalhadores da cultura, como músicos, atores, artistas visuais, fazedores da cultura popular, inclusive as pessoas que atuam nos bastidores ou em áreas de apoio, como técnicos de som ou de luz, figurinistas e produtores.

Das 1.187 inscrições aprovadas, ao menos mil serão contempladas a receber o auxílio no valor de R$ 1.900,00. Como esclarece o diretor de Cultura, Gabriel Rapassi, o edital previa pagar o benefício para mil pessoas, mas o número de inscritos e aprovados surpreendeu. Por isso, haverá uma segunda fase do processo, para o desempate. "Esses 1.187 classificados inicialmente estavam com toda a documentação em ordem e foram habilitados. Agora, temos 10 dias para computar a pontuação de cada um de acordo com critérios do edital. Com o desempate, publicaremos o resultado final", diz.

A assinatura do contrato e a entrega dos recursos estão previstas para acontecer entre o final de janeiro e o início de fevereiro. As pessoas que vivem da Cultura no município poderão utilizar o dinheiro para viabilizar seus projetos em vários segmentos do contexto artístico. O investimento do Fundo, para este ano, é de R$ 2 milhões, recurso oriundo do orçamento da Prefeitura.

Em contrapartida, os artistas deverão fazer um vídeo em que apresentem a sua trajetória cultural na cidade. "No final, teremos um verdadeiro mapeamento da cultura de Campinas", comenta o diretor.

Desafios para todos os lados

O FICC 2021 teve o formato alterado e simplificado para garantir que a informação sobre o edital chegasse a todos os artistas interessados residentes no município. Outra melhoria considerada pela Prefeitura foi a possibilidade de que a destinação do dinheiro seja descentralizada e chegue a todas as regiões do município.

O novo projeto foi construído pela Prefeitura, por meio da Secretaria de Cultura, em parceria com o Conselho Municipal de Política Cultural. "Foi um grande desafio conseguir levar a informação aos artistas que moram nos locais mais distantes da cidade. Divulgar para todos a oportunidade de se inscreverem. E nós conseguimos", comemora Rapassi.

No entanto, os artistas da cidade, que enxergaram no FICC uma forma de conseguir ajuda após terem ficado tanto tempo sem poder exercer suas atividades por causa das restrições impostas pela pandemia, também tiveram os seus desafios.

O músico Dudu Baradel, por exemplo, considera que a ajuda é muito bem-vinda, mas que os processos no geral deveriam ser menos burocráticos. "O sistema não aceitava os documentos do portfólio em fotos convertidas em pdf, por exemplo. Só site. Eu não conseguiria ter sido aprovado se não fosse a ajuda de uma amiga, que me orientou com o passo a passo para fazer a inscrição", comenta.

AUMENTO DE INSCRIÇÕES

A Secretaria de Cultura recebeu 1.307 inscrições para o FICC 2021. É um número significativamente maior, se comparado ao das edições anteriores, quando a média era de cerca de 500 inscritos. Com as novas regras do edital, o aumento da procura foi da ordem de 260%.

Escrito por:

Karina Fusco/ Caderno C