Publicado 23 de Novembro de 2021 - 13h51

Por Do Correio.com

A videodança

Fabiana Ribeiro

A videodança "Lua Negra" apresenta a personagem Lilith como cerne da construção de "papéis femininos" nas diversas culturas, numa perspectiva feminina e feminista

Concebida pela artista da dança Cibele Ribeiro, a videodança “Lua Negra”, será lançada nesta quinta-feira (25) no canal do YouTube da artista, e terá no total oito exibições programadas até o dia 5 de dezembro, de quinta a sábado às 20h e domingo às 19h.

A obra propõe uma reflexão corporal, poética e política sobre a construção da estigmatização e violência sofrida pela mulher a partir da personagem mitológica de Lilith. A videodança proporcionará acessibilidade ao público surdo por meio da tradução em libras. A classificação indicativa é de 16 anos.

 

Sobre "Lua Negra"

Segundo os textos hebraicos do Talmud e Zohar, Lilith foi a primeira mulher criada por Deus e banida por não ser submissa. A partir deste mote, a videodança Lua Negra apresenta a personagem Lilith como cerne da construção de “papéis femininos” nas diversas culturas, numa perspectiva feminina e feminista. A dramaturgia é uma cocriação de Cibele Ribeiro e de Juliana Calligaris, que também assina a direção artística e roteiro original de Lua Negra. O processo criativo da videodança se deu no universo da dança contemporânea, na fronteira com o teatro, a performance e o vídeo.

Partindo da concepção inicial de Cibele Ribeiro, a atriz e diretora Juliana Calligaris, propôs para a criação a técnica performativa do Rasaboxes, desenvolvida por Richard Schechner e originada na antiga Índia, derivada da dança templária e cênica. Cada “rasa” (sabor, sumo, essência) gerou uma ação performativa/coreográfica da bailarina e corresponde a um local cênico da videodança, gravada totalmente em locações externas. A criação cênica integrou ainda um trabalho de autoficção proposto pela diretora, integrando performer e personagem.

A trilha sonora foi especialmente composta pelo compositor, arranjador e multiinstrumentista André Mehmari e partiu da mesma concepção das cenas, levando em consideração cada vale percorrido pela personagem em sua jornada. Tem como base o piano, instrumento principal do artista, mas conta com diversos outros instrumentos como percussão, violoncelo, rabeca, dentre outros, além de sonoplastia específica, criando estímulos sensoriais e sonoridades que dialogam com a obra.

Nesta videodança, gravada em diversas locações externas, a dançarina tece cenicamente reflexões, sensações e emoções sobre as relações de poder entre homens e mulheres estabelecidas pelo patriarcado, a subjetividade e o corpo feminino, o amor e o amor-próprio, a sexualidade, a culpabilidade e a solidão da mulher. A direção de fotografia e filmagem de Lua Negra foram realizadas por Ivana Cubas.

Esta temporada de exibições online da videodança faz parte do projeto “O Que Somos Quando Esquecemos as Perguntas” foi contemplado pelo edital emergencial ProAC Expresso Lei Aldir Blanc – ProAC LAB 48/2020 - Prêmio por Histórico de Realização em Dança - Categoria diretores e coreógrafos, com recurso advindo do Governo Federal, através do Governo do Estado de São Paulo/Secretaria de Cultura e Economia Criativa. A produção executiva e gestão financeira é de Wannyse Zivko (Arte & Efeito) e a produção é de Cibele Ribeiro.

Serviço

Lua Negra - videodança - 35'

Exibições no canal do YouTube:https://www.youtube.com/c/CibeleRibeiroDança

Datas: 25/11, 26/11, 27/11 e 28/11, 2/12, 3/12, 4/12 e 5/12

Horário: quinta a sábado às 20h e domingo às 19h

Gratuito

Classificação indicativa: 16 anos.

Apoio: Barracão Teatro, Espaço Quintal, Centro Cultural Casarão e Ateliê Cozinha Lá Em Casa

Site: https://cibeleribeiro.com.br/

Escrito por:

Do Correio.com