Publicado 06 de Agosto de 2021 - 20h01

Por Adriana Giachini / Caderno C

João Barone, Herbert Vianna e Bi Ribeiro: teste PCR em dia para a apresentação em Campinas

Divulgação

João Barone, Herbert Vianna e Bi Ribeiro: teste PCR em dia para a apresentação em Campinas

Toco no celular de João Barone no horário agendado para a entrevista e ele de imediato me conta que acaba de sair do laboratório, onde realizou mais uma vez o exame de PCR (aponta Covid-19). Desta vez, a expectativa é saber se está tudo bem justamente para poder tocar em Campinas, no Teatro Castro Mendes, ao lado da Orquestra Rock, neste domingo.

E Barone não esconde a felicidade de retornar aos palcos, ao lado de Herbert Vianna e Bi Ribeiro, para a primeira apresentação do Paralamas em 2021. “Estamos sem tocar desde o final do ano passado porque a gente leva a sério a pandemia. Vamos ter um ensaio aqui no Rio mesmo e outro em Campinas e todo mundo precisa fazer o teste. De qualquer maneira, a gente prevê um encontro bem alegre, até pela oportunidade de tocar em prol do Boldrini”, adianta o baterista.

Será a primeira vez dos Paralamas ao lado da Orquestra Rock de Campinas. O show faz parte do projeto Arte do Bem, cuja arrecadação (os valores variam entre R$ 10 e R$ 30) é totalmente revertida para o Centro Infantil Boldrini. Em junho, participaram do projeto os músicos do Jota Quest.

“O projeto é fantástico e eu cheguei a assistir o Jota Quest. Nós do Paralamas também sempre estamos dispostos ajudar nas causas assistenciais, especialmente uma instituição séria como o Boldrini. Ainda não conhecemos a Orquestra Rock, mas não tenho dúvida de que será uma experiência única”, diz.

“O Paralamas, ao longo de sua trajetória, já tocou com outras orquestras, inclusive a de Campinas. Também teve um Rock In Rio onde recebemos a Orquestra Sinfônica Brasileira. É sempre muito bacana porque essa formação resgata a música na sua essência, é um fazer música na sua forma mais elevada e que me encanta muito, ver como o coletivo soma.”

40 anos de Paralamas

Com o Paralamas do Sucesso prestes a completar 40 anos de, oficialmente em 2022, Barone é exemplo de músico que escolheu fazer o que ama e se mantém assim, em que pese a fama. Diz que, justamente pelo perfil Old School do trio, e com a pandemia, é que o Paralamas acabou ficando mais distante dos palcos.

“A gente decidiu levar a sério os protocolos de segurança. Só faríamos shows quando fosse possível e sempre que achávamos que daria vinha uma nova onda e nos mantínhamos isolados. Além disso, até arriscamos algumas lives ano passado. A primeira delas em setembro, mas nós três temos uma conexão que super funciona juntos. A gente precisa estar ali, fazendo o som e não dá para ser com cada um na sua casa.”

A famosa parceria do trio, inclusive, está retratada no documentário Os Quatro Paralamas, disponível desde de abril na Netflix. Dirigido por Roberto Berliner e Paschoal Samora, o longa não só reconta a trajetória de amizade dos músicos, mas destaca a presença de um quarto integrante: o empresário José Fortes.

“Para gente é um susto pensar que lá se vão 40 anos do primeiro disco. Quer dizer, a gente se conheceu em 1981 e levou um ano para oficialmente criar a banda. Em 1983, foi quando gravamos o primeiro disco. Então são várias primeiras vezes. Lembro da emoção de ver nossa demo tocando na Rádio Fluminense. Do primeiro disco gravado e a gente sendo conhecido no Brasil todo. A primeira vez que tocamos no Circo Voador, para abrir um show do Lulu Santos e que já em 1985 estávamos tocando na primeira edição do Rock In Rio”, recorda Barone para quem, o segredo do sucesso é a entrega.

“A gente gosta de tocar e todo encontro nosso é mágico. Tem toda a rotina de entrevistas, de acordar cedo e viajar, mas quando a gente sobe no palco, até hoje a gente curte”, diz o músico que, ao lado de Herbert e Bi, tem eternizados sucessos como Óculos, Meu Erro, Ela Disse Adeus, Lanterna dos Afogados e Aonde quer que eu Vá, entre tantos outros.

Dia dos Pais

Com arranjos do maestro Martin Lazarov, o show deste domingo, Dia dos Pais, reunirá os 36 músicos da campineira Orquestra Rock, com os Paralamas, e será transmitido às 18h, direto do Teatro Castro Mendes, em Campinas – porém sem público. Os ingressos (doações) poderão ser realizados pela plataforma NetShow.me - há uma pequena taxa para comprar que pode ser entre 2,50 a 3,00.

Escrito por:

Adriana Giachini / Caderno C