Publicado 19 de Junho de 2021 - 20h55

Por Katia Fonseca

A gravura  Sólido de Melancolia 1: Síntese da Relação de Deus com o Homem de Cinco Sentidos, de Marco do Valle

Divulgação

A gravura Sólido de Melancolia 1: Síntese da Relação de Deus com o Homem de Cinco Sentidos, de Marco do Valle

O artista contemporâneo Marco do Valle, morto em 2018, deixa, definitivamente, sua marca no Boldrini – onde recebeu tratamento contra um câncer – ao ter sua obra Sólido de Melancolia 1: Síntese da Relação de Deus com o Homem de Cinco Sentidos exposta de forma permanente no centro de pesquisas do hospital. A gravura foi dada de presente ao médico Nelson Brandalise, um dos responsáveis pelo tratamento do artista. O médico, por sua vez, destinou a obra ao hospital, que é referência no tratamento de crianças e adolescentes com câncer e outras doenças do sangue.

Em vida, o artista expressou diversas vezes o desejo de trabalhar artisticamente com crianças, mas devido ao seu quadro clínico, foi impossibilitado de realizar seu intento. “A doação também expressa uma tendência artística de Marco do Valle, de levar as obras para fora do sistema de arte, fazendo-a circular em ambientes externos, como o Boldrini”, diz a coordenadora do Instituto Marco do Valle, Julyana Troya.

A obra Sólido de Melancolia I, feita na técnica “água forte” ou “gravura em metal”, tem como referência a exposição Melancolia 3, realizada por Marco em 1992, resultado de seus estudos sobre a arte do renascentista Albrecht Durer. Marco do Valle estudou os elementos esotéricos que representam a elevação da alma através da ligação entre a razão, a ciência, a matemática, a divindade e a criação. A gravura Melancolia I traz tanto os simbolismos esotéricos quanto as técnicas utilizadas pela produção de Durer.

A mostra Melancolia 3, de Marco do Valle, foi uma instalação cujos elementos foram apresentados por meio de uma plataforma híbrida, composta por grandes objetos esculpidos em madeira, lâminas de Raio X, xerox e sólidos geométricos em papelão.

A obra Sólido de Melancolia I, produzida em 2016, faz parte do estudo do artista sobre os procedimentos da produção da gravura em metal, ao qual se dedicou em seus últimos anos de vida, dentro do Laboratório de Gravura da Unicamp, junto ao gravurista Danilo Perillo. Marcos do Valle produziu 12 impressões da gravura. “Nove delas foram dadas de presentes aos profissionais que realizaram seu tratamento, como forma de solidificar seu agradecimento e manter-se presente prolongando o ato artístico pelo gesto”, conta Julyana Troya.

 

Escrito por:

Katia Fonseca