Publicado 14 de Outubro de 2021 - 8h58

Por Luiz Roberto Saviani Rey/ Diretor editorial do Correio Popular

O partido “União Brasil”, resultante da fusão entre PSL e Democratas, na semana passada, estreia com a ameaça de perder peso e representatividade junto ao governo Jair Bolsonaro. Por interesses político-eleitorais, e de olho em 2022, dois ministros antes filiados aos partidos de origem, deverão deixar a nova sigla. Onyx Lorenzoni, do Trabalho, e Tereza Cristina, da Agricultura, estão em conflito com a orientação partidária. O presidente do União, Luciano Bivar, não aceita negociar pontos programáticos.

UNIÃO EM DESUNIÃO 2

No caso de Onyx Lorenzoni, Bivar segue a orientação do União Brasil, que reage e diverge do ministro, o qual deseja o apoio da nova sigla à reeleição de Bolsonaro. Quanto a Teresa, sua saída está ligada à concorrência com Mandetta, para a Presidência. Onyx ouviu as ladainhas de Bivar: “Nós temos um programa e cada um deve se adaptar; quem se sentir desconfortável, que tome o caminho que lhe aprouver”. Pelo jeito, o apoio a Bolsonaro em 2022 começa a ser reduzido.

FRASE

"Tenho sofrido agressões de toda ordem.”

Senador Davi Alcolumbre, sobre demora para nomear André Mendonça

ESPORTISTA

O prefeito Dário Saadi reviveu ontem seus dias de secretário municipal dos Esportes. Ele comandou a solenidade de entrega da Praça de Esportes “Chico Mendes”, no bairro Cafezinho - região do Parque Anhumas.

ESPORTISTA 2

Ao lado do secretário de Esportes, Fernando Vanin, Dário realçou a importância da manutenção dos centros esportivos em boas condições no pós-pandemia.

CHOQUE ELÉTRICO

Enquanto Bolsonaro prega economia de energia elétrica, recomendando “uso consciente”e cortes de chuveiro e de uso de elevadores, o consumo da Presidência da República subiu 5,2% em 2021. Foram consumidos 2,335.881 KWh.

ESTRATOSFÉRICO

Marcos Pontes, o astronauta ministro, deixou de lado ontem as críticas ao corte de verbas para a Ciência e partiu para o ataque.

**********

Pontes disse que vai manter ‘conversinha’ com Bolsonaro, em tentativa de reverter a perda de quase R$ 1 bilhão de investimentos no setor. Com o corte, projetos estratégicos para o país serão congelados.

LEVANTANDO A BOLA

Mídia do Vale do Paraíba destaca eventual liderança do médico Geraldo Alckmin na corrida aos Bandeirantes. Em tempo, Alckmin é natural de Pindamonhangaba...

SABATINA NA GAVETA

A encrenca que toma os ares de Brasília esta semana é o recrudescimento da pressão sobre o senador Davi Alcolumbre, presidente da CCJ do Senado, para que agende com urgência a sabatina para André Mendonça assumir o STF.

SABATINA NA GAVETA 2

Acusado por Bolsonaro de “engavetar” a sabatina, Alcolumbre ouve cobras e lagartos do presidente, que quer logo um representante evangélico no Supremo. Há pressões também das bancadas evangélicas no Congresso.

CAPITAL INICIAL

Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara dos Deputados, acusou a Petrobras de ter congelado seus investimentos para distribuir dividendos a acionistas. “É uma empresa pública, mas o que existe ali é política que tem de ser revista”.

ARMINHA

Um dia após ouvir na Basílica de Aparecida do Norte a reprimenda do arcebispo Dom Orlando Brandes, de que “Pátria amada não pode ser pátria armada”, Jair Bolsonaro, ainda em São Paulo, rebateu a pregação do sacerdote.

ARMINHA 2

Bolsonaro voltou a defender que é importante armar a população. “Antes, só bandido tinha arma de fogo”, disse.

Escrito por:

Luiz Roberto Saviani Rey/ Diretor editorial do Correio Popular