Publicado 18 de Agosto de 2021 - 8h37

Por Luiz Roberto Saviani Rey/ Diretor editorial do Correio Popular

O governo do Estado começa neste sábado a criar nova região administrativa em São Paulo, por meio do processo de desmembramento do município de São João da Boa Vista - e um corpo de cidades próximas - da região de Campinas. Audiência pública nesse sentido será realizada para a exposição de argumentos, motivos e justificativas, com a presença do vice-governador Rodrigo Garcia e do secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, além de prefeitos, deputados e lideranças locais.

REGIÃO DA BOA VISTA 2

Com a divisão, São Paulo passará a ter 16 regiões administrativas. A escolha de São João da Boa Vista traz como propósito a reorganização de cidades da região de Campinas, para melhor gestão de políticas e verbas. A região concentra mais de 80 cidades. A nova área terá Aguaí, Itobi, Caconde, Casa Branca, São José do Rio Pardo, Vargem Grande do Sul, Divinolândia, Sta. Cruz das Palmeiras, Águas da Prata, E.S. do Pinhal, São Sebastião da Grama.

FRASE

"Se houvesse ditadura, muitos não estariam aqui”.

Walter Braga Netto, ministro da Defesa

FORÇA POLÍTICA

Em essência, a fragmentação da região administrativa de Campinas, com a criação da região de São João da Boa Vista, tem objetivos mais políticos do que de fundo econômico e social.

FORÇA POLÍTICA 2

Além de independer as cidades da nova região, a proposta de João Doria passa a valorizar políticos locais, embaçados pela maior densidade da classe política da Região Metropolitana de Campinas.

FORÇA POLÍTICA 3

Além desses aspectos, uma região concentrada no ruralismo, com independência, levanta novas lideranças e apoiamentos políticos com maior vigor.

DISPENSANDO O TIME

João Doria causou o maior reboliço entre especialistas da Saúde, ao flexibilizar as medidas da pandemia, a ponto de mandar dissolver o Centro de Contingência.

**********

Doria diz que a situação da covid em São Paulo não demanda a manutenção dos conselheiros. Formado em março do ano passado, o centro contava com 21 integrantes.

RACHOU A ABOBRINHA

A cantoria de Sérgio Reis, convocando a caminhoneirada para parar o Brasil em 7 de setembro, rachou o Agronegócio. Reis é agora alvo de 29 subprocuradores. Nem todo mundo fala a mesma língua.

O FUNDÃO DE VOLTA

Bolsonaro promete vetar totalmente o Fundão, a verba que irá financiar partidos na campanha do ano que vem, se for impedido de cortar o excesso.

************

São R$ 5,7 bilhões já aprovados. O presidente ameaça cortar o excesso: $ 2 bilhões, mantendo o valor constitucional de $ 4 bilhões.

GRAMOFONE

Frase de Carmem Lúcia, do STF: “A sociedade não pode viver com audição permanente de xingamentos”.

VELHO TREM

A Litorina que transportou autoridades anteontem, para falar sobre o Trem Intercidades, é tão idosa que deve ter transportado Ulysses Guimarães muitas vezes de Itirapina e Rio Claro a São Paulo.

APOIO AO TALEBAN

A Câmara Municipal de Campinas teve votação inusitada na sessão de segunda: entrou em plenário moção do vereador Nelson Hossri protestando contra o Partido da Causa Operária, que declarou apoio à vitória taleban no Afeganistão.

**********

Ao final, só o voto favorável ao Taleban, dado pelo vereador Carmo Luis. Até vereadores de esquerda votaram a favor da Moção.

Escrito por:

Luiz Roberto Saviani Rey/ Diretor editorial do Correio Popular