Publicado 14 de Janeiro de 2022 - 8h19

Por Do Correio Popular

 O secretário municipal de Saúde de Campinas, Lair Zambon

Divulgação

O secretário municipal de Saúde de Campinas, Lair Zambon

Na live sobre as últimas novidades no combate à pandemia, transmitida neste quinta-feira (13) pelas redes sociais, o secretário municipal de Saúde de Campinas, Lair Zambon, fez um importante apelo às pessoas acometidas de sintomas gripais leves para que fiquem em casa, em isolamento, e evitem, ao máximo, procurar uma unidade básica de saúde ou algum hospital público nesses casos. Assim, será possível reduzir a gigantesca pressão que a mais recente epidemia de gripe e covid - agora pela variante Ômicron - vem exercendo nas últimas semanas sobre a rede de atendimento de saúde pública da cidade. O vírus em circulação é altamente contagioso, porém, bem menos letal do que as versões anteriores, principalmente a Gama de Manaus que infectou e levou milhares de pessoas às UTI's e, infelizmente, muitas delas a óbito.

Como médico pneumologista e autoridade sanitária máxima da cidade, o secretário explicou que, infelizmente, os recursos humanos e materiais são limitados e, portanto, é impossível a Prefeitura testar e prestar atendimento a toda a população que adoece de gripe na cidade.

A nova variante Ômicron da covid-19, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), não provoca tantos casos de internações, mas, em compensação, ela se espalha de forma exponencial, imprimindo linhas verticais nos gráficos de acompanhamento de sua evolução. Diante disso, a corrida simultânea ao médico resulta num esgarçamento do sistema de saúde, esgotando os recursos e estressando as equipes - já combalidas por dois anos de pandemia - e agora também desfalcadas pelos inúmeros casos de contaminação de profissionais da linha de frente do combate à covid-19.

As palavras do secretário Zambon são absolutamente coerentes e alinhadas às enormes dificuldades que o serviço de saúde enfrenta nesta etapa da pandemia. A maioria dos infectados apresenta sintomas leves, típicos de uma gripe comum, que passam em cinco ou sete dias. Nesses casos, a prudência manda ficar em casa, isolado, e evitar correr ao médico, exceto ao primeiro sinal de febre alta ou, falta de ar ou desconforto mais grave. Essa é a orientação do secretário de Saúde de Campinas, numa tentativa de aliviar a pressão sobre o sistema de atendimento de saúde da cidade, com seus hospitais lotados. Para completar, recomendou fortemente para que todos se protejam e levem os seus filhos também para vacinar nos próximos dias. Para o bem de cada indivíduo e do próximo, a vacinação é um dever moral e cristão. Vamos fazer a nossa parte.

Escrito por:

Do Correio Popular