Publicado 22 de Outubro de 2021 - 8h43

Por Do Correio Popular

Orientado por uma política econômica que busca a redução do tamanho do Estado, o governo federal elegeu a palavra "inservível" para classificar bens móveis e imóveis que, literalmente, não possuem serventia à União. Esse patrimônio será transferido aos estados e municípios que tenham interesse em ocupar essas áreas para implementar projetos de interesse social. Conforme o dicionário, "inservível" é o mesmo que imprestável, ou seja, que não possui valor ou préstimo. Desse modo, o governo federal quer se desfazer desse "lixo patrimonial", com potencial de reciclagem e reaproveitamento urbanístico e social.

Assim, o Ministério da Economia, por intermédio da Secretaria de Coordenação e Governança do Patrimônio da União (SPU), lançou o programa SPU+, que vem facilitando as vendas, cessões e permutas de áreas pertencentes à União, enquadradas nesse conceito de "inservível". Sob a órbita de gestões municipais ou estaduais, essas áreas públicas poderão ser transformadas em espaços adequados às necessidades locais. Em Campinas, é o caso do Pátio Ferroviário, onde atualmente estão a Estação Cultura e a sede da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), com seus leitos desativados e antigos galpões que serviam de garagem e oficina de locomotivas.

A área de 310 mil metros quadrados pertenceu a extintas companhias de estrada de ferro e hoje integra o patrimônio da União. Em reunião virtual ocorrida na tarde da última quarta-feira, o prefeito Dário Saadi ouviu das autoridades federais a promessa de que o acordo para a posse do complexo só depende da assinatura de um termo de acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), proprietário de parte da gleba. Caso o plano da União se concretize, o campineiro poderá novamente se beneficiar de um patrimônio que, no passado, foi indutor do desenvolvimento econômico da cidade.

Se tudo ocorrer conforme o planejado, o prefeito Dário Saadi poderá tomar posse do terreno e viabilizar um grande projeto urbanístico no local, que inclui a construção de um Parque Linear, antigo sonho alimentado desde a época da gestão do ex-prefeito Antônio da Costa Santos. Esse grandioso projeto complementará o futuro polo logístico de transporte de passageiros, projetado pelo governo do Estado, com a chegada do Trem Intercidades (TIC), previsto para 2022. Tudo isso integrado à revitalização do Centro da cidade. Uma oportunidade histórica que não pode ser desperdiçada.

Escrito por:

Do Correio Popular