Publicado 11 de Setembro de 2021 - 10h47

Por Do Correio Popular

Em 2015, o Serviço de Inspeção Federal (SIF) comemorou 100 anos de existência. Publicado em 11 de janeiro de 1915, o Decreto 11.462 criou o selo de certificação de procedência e qualidade de alimentos de origem animal. A adoção de um sistema de inspeção de carnes e o desenvolvimento de modernas tecnologias sustentáveis alçaram o Brasil à condição de um dos maiores produtores e exportadores de manufaturados bovinos, suínos e de aves do mundo. Essa história de sucesso começou durante a Primeira Guerra Mundial, quando frigoríficos dos Estados Unidos se instalaram no país, motivados pelo aumento da demanda por carne dos países europeus, que estavam envolvidos no conflito bélico. Com isso, o Brasil se beneficiou com a transferência de tecnologia dessas companhias, que transformou charqueadas em matadouros industriais e, posteriormente, evoluíram às atuais fábricas de produtos cárneos. Assim, o controle sanitário de produtos de origem animal passou a ser feito de forma profissional, protegendo a saúde dos consumidores no mercado interno e externo.

Em Campinas, os produtores rurais reivindicam a implantação de um serviço local de inspeção de produtos alimentícios de origem animal há quase 30 anos. Após essa longa espera e passadas sucessivas administrações, finalmente parece que a versão municipal do serviço será implantada em um prazo estimado de dois anos. A novidade foi anunciada pelo prefeito Dário Saadi ao enviar à Câmara dos Vereadores o projeto de lei que cria o serviço para apreciação e votação.

Quando estiver em operação, o futuro Sistema de Inspeção Municipal (SIM) poderá atestar os produtos alimentícios fabricados na zona rural campineira, como ovos, leite, mel, pescado, carnes, queijos e embutidos, entre outros, beneficiando centenas de agricultores e empreendedores rurais. Com isso, estes poderão vender os seus produtos legalmente em supermercados e feiras livres da cidade, gerando emprego e renda.

Na outra ponta, ganhará o consumidor, que terá acesso a alimentos frescos e de qualidade atestados por técnicos sanitários qualificados. Por serem produzidos no cinturão verde da cidade, esses produtos poderão custar mais barato ao consumidor. A estrutura do serviço de inspeção municipal está sendo montada pelo Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa), cujos técnicos serão responsáveis pela fiscalização e emissão do selo certificador. Uma ótima notícia à população campineira e, em particular, ao setor rural da cidade.

Escrito por:

Do Correio Popular