Publicado 19 de Junho de 2021 - 11h16

Por Do Correio

O debate em torno da revitalização da região central de Campinas ganhou esta semana um capítulo que merece destaque. O anúncio de um empreendimento privado na antiga sede social do Clube Semanal de Cultura Artística, previsto para abril de 2022, vem ao encontro da solução apresentada por arquitetos e urbanistas para recuperar o Centro da cidade. Os especialistas acreditam que o aproveitamento de grandes áreas e imóveis abandonados pode servir de instrumento para impulsionar o desenvolvimento da região, de modo a devolver ao cidadão campineiro o sentido de usabilidade da área, que se perdeu ao longo de décadas.

Desde as grandes intervenções urbanísticas implementadas nos anos 50 e 60 pelo prefeito Miguel Vicente Cury, como o alargamento de avenidas e a construção do viaduto sobre os trilhos da antiga Fepasa que leva o seu nome, a região central da cidade sofreu poucas intervenções. Talvez a mais importante tenha sido a revitalização da Avenida Francisco Glicério.

Por conta de uma política pública de expansão da cidade, que priorizou a criação de bolsões urbanos distantes da região central, com baixo adensamento demográfico em contraposição a imensos vazios urbanos, o Centro caiu no esquecimento. Em função disso, um contínuo processo de degradação urbana tomou conta da área.

O empreendimento privado pretende recuperar o edifício que abrigou a lendária sede social do Clube Semanal de Cultura Artística com a implantação no local de cinema, teatro, restaurante, piano bar e espaço para festas e exposição de artes e lojas comerciais diversas. Além disso, o grupo empresarial planeja também investir em melhorias na Praça Carlos Gomes, com nova iluminação, pintura do coreto e instalação de banheiros públicos. O resultado disso será o resgate urbano daquela região, que passará a ser frequentada por pessoas atraídas pelas atividades sociais, culturais e comerciais que passarão a existir no local, conforme o planejamento anunciado pelos investidores.

A iniciativa é bem-vinda e salutar e poderá servir de inspiração para modelar futuros projetos de parceria entre o poder público e a iniciativa privada, visando fomentar o aproveitamento de outros espaços urbanos, como terrenos e imóveis que estão abandonados no Centro da cidade. A vontade expressa pela atual gestão municipal de recuperar os espaços urbanos importantes, como o Mercadão, certamente encontrará eco e apoio na sociedade. O Centro de Campinas agradece.

Escrito por:

Do Correio