Publicado 13 de Junho de 2021 - 9h07

Por Correio Popular

Em entrevista exclusiva concedida esta semana ao Correio Popular e publicada na edição de hoje, um dos executivos mais bem-sucedidos do País falou sobre o setor elétrico brasileiro. Trata-se do engenheiro Wilson Ferreira, bastante conhecido em Campinas por ter comandado a CPFL Energia durante 16 anos. Mais do que isso: transformou a antiga companhia estatal em uma empresa moderna e lucrativa, uma verdadeira gigante do setor.

Em uma exposição clara e detalhada, Ferreira enaltece a qualidade do setor elétrico brasileiro. O executivo observa que o sistema de produção e de distribuição de energia elétrica desenvolvido no Brasil é reconhecido em todo o planeta e copiado por muitos países, que só agora despertaram para um caminho que este país já trilha há anos: o das energias sustentáveis e renováveis. A queima de combustível fóssil, que durante séculos, e ainda hoje, movem as máquinas, as indústrias, os veículos, o mundo, enfim, está com os dias contados.

É consenso global de que o planeta não suporta mais a emissão de gases do efeito estufa para a atmosfera, o que desencadeia uma sequência desastrosa para o equilíbrio ambiental, com efeitos trágicos sobre os seres vivos, especialmente a humanidade. Desde a Revolução Industrial, o mundo queima combustíveis fósseis para movimentar máquinas e impulsionar a economia. Agora, esse tempo está chegando ao fim. Fontes de energia renováveis e limpas, como a energia solar e a eólica, são a bola da vez e devem ser cada vez mais exploradas.

Dessa forma, companhias como CPFL Energia, Eletrobrás e outras gigantes do setor, estão na linha de frente, desenvolvendo novas tecnologias capazes de atender às necessidades de consumo das cidades, das indústrias e das pessoas e, ao mesmo tempo, preservar o meio ambiente da destruição. Trabalhando dessa forma, o setor elétrico brasileiro constitui um exemplo mundial e motivo de orgulho nacional, sentimento este que precisa ser resgatado.

O trabalho desenvolvido por lideranças executivas, como o do engenheiro Ferreira, contribui de forma decisiva para a expansão de um dos segmentos mais estratégicos para o desenvolvimento econômico de qualquer nação. Agora, o grande desafio, segundo o especialista, vem dos céus. A seca que assola o Brasil neste primeiro semestre é a mais severa dos últimos 90 anos, destaca Ferreira. Que sirva de alerta para todos.

Escrito por:

Correio Popular