Publicado 21 de Dezembro de 2021 - 9h10

Por Estéfano Barioni/ Correio Popular

PIB

Marcello Casal Jr/Agência Brasil

PIB

O PIB é a soma de todos os bens e serviços finais que são produzidos dentro das fronteiras do país em um determinado período de tempo. Ao somar o resultado monetário gerado por toda a produção final, o PIB se torna um dos melhores indicadores do nível de atividade econômica de um país. Deseja-se que o PIB cresça, o que significa que a economia está se expandindo, gerando mais riqueza.

Oferta e Demanda

A contabilidade do PIB pode ser feita tanto do lado da oferta, considerando a produção de bens e serviços, como pelo lado da demanda, avaliando o consumo desses bens e serviços, pois maior demanda requer maior produção para atendê-la. Assim, uma grande parte das receitas para fazer o PIB crescer se concentra nos elementos da demanda agregada.

FRASE

"A demanda agregada cresce com o novo investimento. A variável estratégica é o investimento"

Luiz Carlos Bresser Pereira, economista brasileiro

Componentes da Demanda

São quatro os componentes que formam a demanda agregada: o consumo privado das famílias, o investimento privado, os gastos do governo (que inclui as despesas e os investimentos públicos) e as exportações líquidas. O valor somado desses quatro componentes corresponde ao valor total da demanda agregada e, portanto, ao valor do produto interno bruto.

Estímulos ao PIB

Para fazer o PIB crescer é preciso estimular a demanda agregada, fazendo com que o valor de um de seus componentes (ou de todos eles) aumente. A demanda agregada cresce quando aumenta o consumo privado, ou o investimento privado, ou os gastos do governo, ou ainda quando aumentam as exportações líquidas (valor das exportações menos as importações).

Consumo Privado

O consumo privado é o componente com maior participação, representando mais de 50% do valor total da demanda agregada. Por isso, muitas políticas para estimular o PIB focam no consumo, uma vez que as variações no consumo privado irão impactar mais forte e diretamente o PIB, justamente por causa de sua maior participação.

Consumo Privado 2

O consumo privado é formado pelo consumo de bens duráveis (automóveis, produtos eletrônicos, eletrodomésticos, etc.), bens não duráveis (alimentos, artigos de higiene, etc.) e serviços (saúde, educação, telefonia, etc.). Desses itens, é o consumo de bens duráveis o que mais sofre influências dos ciclos da economia, podendo retrair significativamente nas recessões.

Gastos Públicos

Quando o governo gasta, injeta recursos na economia e contribui diretamente para o aumento da demanda agregada. Por conta das interligações entre os diferentes setores da economia, existe um fator multiplicador que faz com que cada R$ 1,00 gasto pelo governo possa gerar mais de R$ 1,00 em termos de demanda agregada. No entanto, esse fator multiplicador não é elevado a ponto de justificar uma gastança sem planejamento.

Gastos Públicos 2

Quando o governo gasta mal, causa mais danos do que benefícios. O aumento descontrolado das despesas deteriora as contas públicas, diminuindo a capacidade do governo de realizar os investimentos necessários nas áreas prioritárias. Despesas mal planejadas também acabam injetando recursos nas áreas erradas, podendo criar pressões inflacionárias.

Crescimento Inibido

A elevação da inflação faz com que os juros tenham que ser elevados, como forma de manter o controle dos preços e a estabilidade monetária. Juros mais elevados fazem com que o acesso ao crédito se torne mais difícil e custoso, inibindo o consumo. Além disso, a deterioração fiscal das contas do governo causa maior incerteza em relação ao futuro, inibindo investimentos privados.

Crescimento Sustentável

Dessa forma, muitas vezes o aumento das despesas públicas pode ter o efeito inverso do esperado, prejudicando o crescimento econômico no longo prazo. A melhor política para o crescimento econômico é um governo eficiente em sua gestão, controlando os gastos públicos e fornecendo um ambiente estável para crescimento do consumo e o investimento privado.

Escrito por:

Estéfano Barioni/ Correio Popular