Publicado 10 de Outubro de 2021 - 9h50

Por Estéfano Barioni/ Correio Popular

A economia é uma ciência que se propõe a estudar o comportamento dos agentes econômicos, consumidores e produtores, determinando os resultados que serão alcançados pela combinação dos comportamentos adotados. Assim, a economia se baseia em projeções. Projetam-se as ações e projetam-se os resultados que essas ações produzirão.

Ações e expectativas

Mas não se trata apenas de teoria. A economia não se limita a discutir teoricamente o que aconteceria

caso determinado comportamento prevaleça. As ações de consumidores e produtores geram resultados reais e muito palpáveis. E não só. Os resultados dependem das ações que são tomadas, e essas ações dependem das expectativas.

FRASE

"Os mercados não gostam de instabilidade, os investidores fogem da incerteza e a confiança do consumidor cai em tempos difíceis.”

Richard Quest, jornalista inglês

Ações e expectativas 2

As expectativas influenciam as ações, e as ações influenciam os resultados. Ou seja, as expectativas que os agentes têm dos resultados acabam influenciando os próprios resultados. Não é como em uma loteria. Na economia, a aposta que se faz – seja no crescimento econômico ou na retração econômica – influencia as chances de ocorrência do resultado, crescimento ou retração.

Influencer

Isso acontece, por exemplo, quando um influencer de finanças dá uma “dica” para a compra de determinada ação, que teria um grande “potencial” de valorização. Como o próprio nome diz, influencer é aquele que influencia, então, vários de seus muitos seguidores começam a comprar a ação. Isso faz com que, de fato, o preço da ação suba, empurrada pela alta demanda. É uma profecia que se autorrealiza.

Expectativas positivas

Desse modo, as expectativas ganham força enorme. Quando empresários têm expectativa de crescimento econômico, investem mais. Os investimentos geram movimentação econômica, aumentam a demanda por bens e serviços, e geram empregos, fornecendo as condições para que o crescimento econômico aconteça.

Expectativas positivas 2

O mesmo acontece quando consumidores possuem melhores expectativas em relação ao desempenho da economia e se tornam mais confiantes em relação ao futuro. Os consumidores passam a gastar mais e o consumo adicional puxa a demanda agregada para cima, elevando o PIB e melhorando de fato as condições econômicas do País.

Ciclo virtuosos

Existe, portanto, a possibilidade de se criar ciclos virtuosos na economia, em que a confiança dos agentes econômicos em um cenário positivo promove as condições para que o cenário positivo aconteça de fato. A má notícia é que, por outro lado, também existe a possibilidade de criação de ciclos viciosos, em que a expectativa de retração adia investimentos e consumo, gerando um desempenho pior da economia.

Convencimento

Portanto, muito da política econômica concorre na formação de expectativas. O governo e instituições, como o Banco Central, têm o papel de contribuir para a formação de um ambiente econômico e criação de expectativas positivas que colaborem para o crescimento econômico. Nesse sentido, economia também é convencimento.

Confiança

A confiança de produtores e consumidores é um ingrediente essencial para o crescimento econômico. E o governo tem um papel fundamental para cultivar a confiança de investidores e consumidores, para que se crie e se mantenha um ambiente econômico atrativo ao investimento e ao consumo, favorável ao crescimento econômico e ao desenvolvimento.

Credibilidade

Para gerar confiança e contribuir com o crescimento, um governo deve ter credibilidade junto à sociedade. Não basta um discurso vago. As pessoas precisam saber que o governo possui a capacidade técnica e a sensibilidade de abordar as demandas da sociedade, sem se deixar guiar pelos seus interesses próprios. No entanto, um governo de credibilidade, capaz e sensível, parece algo muito distante do que temos hoje.

Escrito por:

Estéfano Barioni/ Correio Popular