Publicado 09 de Setembro de 2021 - 9h08

Por Estéfano Barioni/ Correio Popular

No final da semana passada, foi divulgado um dado muito importante da economia americana: o relatório de emprego urbano referente ao mês de agosto. Chamado simplesmente de "Payroll" (que pode ser traduzido para "folha de pagamento"), o relatório traz informações sobre a geração de novos empregos, servindo como um importante medidor da atividade econômica.

Payroll

A expectativa do mercado em relação ao relatório de emprego urbano era de que o Payroll confirmaria a criação de algo em torno de 750 mil novas contratações, na esteira da recuperação econômica norte-americana. Mas os dados reais vieram muito abaixo do esperado, com 235 mil novos contratos de trabalho celebrados em agosto — menos de um terço do esperado.

FRASE

"As condições no mercado de trabalho continuam a melhorar, mas existe ainda um longo caminho a percorrer."

Jerome Powell, presidente do FED

Variante Delta

A diminuição do ritmo de recuperação do mercado de trabalho parece estar relacionada ao aumento de casos de covid-19, provocado pela variante Delta do coronavírus. Os setores mais atingidos são os de serviços, entretenimento e alimentação fora de casa (bares e restaurantes). Nos Estados Unidos, ainda existe um déficit de quase 5,5 milhões de empregos a recuperar para que o nível de desemprego volte aos valores pré-pandemia.

Política de estímulos

O dado é relevante não apenas para os Estados Unidos, mas para a economia global, pois o Banco Central norte-americano, o FED, aguarda uma melhor recuperação do mercado de trabalho para começar a retirar os estímulos à economia. Mensalmente, o FED tem comprado US$ 120 bilhões em títulos da dívida americana, injetando esse valor na economia.

Política de estímulos 2

Com os dados do emprego saindo bem abaixo do esperado, a tendência é que o processo de retirada dos estímulos por parte do FED seja adiado e talvez só aconteça em 2022. Os próximos relatórios de emprego, dos meses de setembro e outubro, serão determinantes para a definição do futuro da política monetária. Por enquanto, a tendência é de que o FED continue injetando US$ 120 bilhões mensalmente.

Desaceleração boa

Por paradoxal que pareça, o desempenho do mercado de trabalho americano frustrando as expectativas traz algum alívio aos mercados. Apesar das preocupações com relação à evolução da pandemia, impulsionada pela variante Delta, aos olhos do mercado a retirada dos estímulos à demanda norte-americana poderia ser pior do que a desaceleração do mercado de trabalho por lá.

Retirada de estímulos

É claro que, em algum momento, os estímulos serão reduzidos e até mesmo completamente eliminados. Mas o fato deste momento ser adiado dá ao Brasil um pouco mais de tempo para se preparar, tentar avançar na organização de sua própria recuperação econômica, avançando reformas e buscando a aprovação de um orçamento adequado para 2022.

Inflação

A inflação americana atualmente está em 5,4% ao ano, mais do que o dobro da meta estabelecida por lá, que é de 2%. Mas a autoridade monetária parece não se importar tanto com isso, acreditando que esse é um fenômeno passageiro, e mantendo o discurso de aguardar uma plena recuperação do mercado de trabalho antes de adotar qualquer medida contracionista.

No Brasil

Aqui no Brasil, a inflação segue em alta, com o IPCA devendo atingir um nível pouco abaixo de 9,5% ao ano após a divulgação da inflação de agosto que acontecerá nesta semana. O desemprego segue elevado. Apesar de alguma redução da taxa de desocupação — que foi de 14,7% para 14,1% no segundo trimestre de 2021 — ainda temos 14,4 milhões de brasileiros desempregados.

Inflação e renda

Em relação ao primeiro trimestre deste ano, o segundo trimestre apresentou aumento de 2,1 milhões no número de pessoas ocupadas. Apesar disso, a massa de rendimento real dos trabalhadores diminuiu 0,6%. Esse é um dos efeitos da inflação elevada, que corrói os salários e diminui a renda real dos trabalhadores, mesmo quando o mercado de trabalho se expande.

Escrito por:

Estéfano Barioni/ Correio Popular