Publicado 29 de Julho de 2021 - 10h28

Por Estéfano Barioni/Correio Popular

O preço da gasolina aumentou, novamente, alcançando os maiores valores desde o começo do ano. O aumento verificado agora foi relativamente pequeno, de centavos, mas a alta acumulada em 2021 já supera 25%, pressionando cada vez mais a inflação. É um aumento muito significativo e ocorrido em um período de tempo curto demais para não provocar impactos em outras áreas.

Aumento Já Esperado

Como já havíamos alertado nesse espaço, na Coluna Xeque-Mate da Economia do dia 07 de julho, ainda existia uma defasagem do preço da gasolina em relação ao preço internacional do petróleo. Assim, não só havia um potencial para aumento do preço, como também esse aumento era muito provável e já deveria ser esperado.

FRASE

"Do jeito que as coisas estão indo, não estamos muito longe do dia em que precisaremos de uma hora de trabalho apenas para pagar a gasolina gasta para chegar ao trabalho"

Sherwood Boehlert, congressista norte-americano

Preço da Gasolina

No começo do mês, a gasolina comum estava sendo vendida nos postos de Campinasa um preço médio de R$ 5,36 por litro. Na semana passada, o litro da gasolina já estava sendo vendido a um preço médio deR$ 5,46 o que representa uma alta de 1,87% em menos de três semanas. Além disso, em alguns postos, os preços da gasolina comum já alcançavam R$ 5,80 por litro.

Causa do Aumento

A principal causa do aumento da gasolina é a valorização do preço do petróleo no mercado internacional, combinada com a desvalorização do Real. O preço do barril de petróleo saltou de US$ 43,50 em julho de 2020 para alcançar US$ 73,77 agora em julho de 2021. É um aumento de 70% em 12 meses.

Preço do Petróleo

Em julho de 2019 o petróleo estava cotado a US$ 62,60/barril. Com uma taxa cambial de R$ 3,746 por dólar, o valor em Reais seria de R$ 234,48/barril. Com a pandemia, a baixa demanda fez o preço do petróleo recuar para US$ 43,50/barril em julho de 2020. Por outro lado, o Real sofreu enorme desvalorização, passando a uma taxa cambial de R$ 5,349 por dólar, o que fez com que o petróleo ficasse em valores quase constantes, chegando a R$ 232,66/barril (em julho de 2020).

Preço do Petróleo 2

O problema é que o preço do petróleo subiu muito nos últimos 12 meses, mas a taxa de câmbio se manteve praticamente estável, mantendo a desvalorização do Real. Com o petróleo passando a uma cotação de US$ 73,77/barril e com a taxa de câmbio atualmente em R$ 5,166 por dólar, o valor do petróleo em Reais saltou para R$ 381,12/barril, um aumento de 64% acima do valor de 12 meses atrás.

Combustíveis

Em 12 meses, o preço médio da gasolina comum passou de R$ 3,886/litro para R$ 5,46/litro, um aumento de 41%. No mesmo período, o preço médio do diesel passou de R$ 3,125/litro para R$ 4,501/litro, com aumento de 44%. Por sua vez, o etanol passou de R$ 2,501/litro para R$ 4,05/litro, um aumento de 62%.

Etanol

Se a causa é o petróleo, o leitor pode perguntar por que então o etanol subiu também. Primeiro porque houve um aumento de custos na produção do etanol, uma vez que os preços dos energéticos todos subiram (petróleo, eletricidade, etc.). São aumentos nos custos industriais. Além disso, o etanol é transportado por caminhões-tanque movidos a diesel. Mais custos.

Etanol 2

O segundo motivo para aumento do preço do etanol é o próprio aumento da gasolina. Como os dois combustíveis são substitutos perfeitos nos carros flex, e o consumidor pode escolher livremente qual combustível utilizar, é natural que os preços dos dois produtos concorrentes acabem se acompanhando, e se mantenham mais ou menos perto do preço de substituição.

Ainda Defasagem

Assumindo que os preços de julho de 2019 (pré-pandemia) estavam mais ou menos corretos, é possível observar que ainda há uma defasagem no preço da gasolina. Mesmo com os últimos aumentos, o combustível ainda está com seu preço em um nível entre 10% e 20% abaixo do nível do preço do petróleo. Ou seja, futuros aumentos ainda podem acontecer.

Escrito por:

Estéfano Barioni/Correio Popular