Publicado 10 de Junho de 2021 - 14h42

Por Estéfano Barioni/Correio Popular

Por que o dinheiro foi inventado? Certamente, o dinheiro não é uma criação diabólica para atormentar a vida do homem. Formas de dinheiro diferentes foram criadas, independentemente, em diferentes civilizações ao longo da história e em todas elas o dinheiro cumpria três funções básicas: ser um meio de troca, ser um meio de estoque e ser um padrão de valor.

MEIO DE TROCA

A função primordial e mais óbvia do dinheiro é servir de meio de troca. Se cada transação comercial fosse realizada na base do escambo (ou seja, na base da troca direta de mercadorias), o comércio não teria se desenvolvido da forma como se desenvolveu até hoje, em que a gama atual de serviços e de produtos ofertados é muito maior do que era antigamente.

FRASE

“Eu gostaria de viver como um homem pobre cheio de dinheiro” (Pablo Picasso, pintor)

MEIO DE TROCA 2

Suponha que você fosse um criador de leitões e quisesse algumas garrafas de vinho. Se o dinheiro não existisse, você e o produtor de vinhos teriam que concordar sobre a quantidade de garrafas para trocar por um leitão. Um pouco complicado, mas até que seria possível. Mas e se você fosse um escritor e quisesse um pacote de internet 4G? Uma troca dessas seria impraticável.

MERCADORIA COMUM

A autoridade monetária do Brasil, que é o Banco Central, obriga que todas as transações comerciais realizadas em território nacional sejam feitas em reais. Então, como o dinheiro é aceito por todos, e esta é uma premissa para que o dinheiro seja considerado mesmo dinheiro, ele torna-se uma “mercadoria” comum para troca por todos os serviços e produtos comercializados.

ESTOQUE DE VALOR

Outra função importante do dinheiro é ser um estoque de valor. Voltando ao criador de suínos, imagine que a produção foi bem maior do que o necessário para atender às necessidades imediatas de consumo dele. Sem dinheiro, como guardar o excesso de produção? Mesmo se armazenada de maneira correta, a carne tem prazo de validade. E os leitões vivos precisam de espaço e alimentos.

ESTOQUE DE VALOR

Era preciso encontrar um meio de estoque que não se deteriorasse com o tempo e não exigisse custos de armazenagem. O dinheiro cumpre essa função. Não por acaso, desde a antiguidade, moedas de metal são usadas como dinheiro, pois elas são fáceis de guardar e de carregar, e não se deterioram com o passar do tempo.

PADRÃO DE VALOR

Outra função do dinheiro, não tão óbvia, é a de ser um padrão de valor. Essa função permite que possa ser realizado um histórico de valor dos bens e serviços e das transações comerciais realizadas, possibilitando uma melhor alocação de recursos. Como sempre, exemplos são bem-vindos para ajudar a entender os conceitos econômicos.

PADRÃO DE VALOR 2

Imagine que, em um mundo sem dinheiro, você comprou um celular dando em troca cinco leitões. No momento seguinte, você revendeu o celular, recebendo uma bicicleta e duas garrafas de uísque. Afinal, quanto vale o celular? Os seus recursos foram bem alocados? Ou, em outras palavras, você ganhou ou perdeu na transação? Sem padrão de valor, não há como contabilizar isso.

INFLAÇÃO

Quando existe inflação (ou seja, o aumento geral dos preços), isso faz com que o dinheiro passe a valer cada vez menos, pois cada unidade monetária consegue comprar quantidades cada vez menores de bens e serviços. Dessa forma, a inflação prejudica que o dinheiro cumpra suas funções de meio de estoque e de padrão de valor, porque passa a haver deterioração do valor do dinheiro.

VALOR DO DINHEIRO

O dinheiro cumpre funções muito importantes que permitiram o desenvolvimento do comércio e das atividades produtivas de um modo geral, gerando benefícios para a sociedade como um todo. Quando o dinheiro perde suas funções, alguns mecanismos econômicos começam a ser menos eficazes, causando uma alocação de recursos ineficiente e uma produção abaixo do potencial.

Escrito por:

Estéfano Barioni/Correio Popular