TRISTE FIM

Morreu ao tentar impedir assalto dentro de um ônibus

Passageiro de 27 anos levou facada no peito; é o primeiro caso de latrocínio neste ano em Campinas

Alenita Ramirez/ [email protected]
02/04/2024 às 09:15.
Atualizado em 02/04/2024 às 09:15
Marginal da Rodovia Anhanguera (SP-330) onde ocorreu o assalto a um ônibus intermunicipal (Alessandro Torres)

Marginal da Rodovia Anhanguera (SP-330) onde ocorreu o assalto a um ônibus intermunicipal (Alessandro Torres)

Um passageiro de 27 anos foi brutalmente assassinado a facadas durante um assalto a um ônibus intermunicipal, na noite de domingo (31), em Campinas. Este trágico evento marca o primeiro caso de latrocínio registrado na cidade este ano. Segundo relatos de testemunhas à família, Felipe Leandro presenciou o ladrão agredindo o motorista e tentou intervir, buscando dissuadir o criminoso da violência. No entanto, o bandido virou-se contra o jovem, desferindo três golpes de faca. Um desses golpes atingiu o coração da vítima, que foi socorrida e encaminhada à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Matão, em Sumaré, mas não resistiu aos ferimentos e veio a óbito.

O criminoso, após cometer o crime, fugiu do local levando consigo R$ 250 provenientes do motorista. O incidente ocorreu dentro do coletivo de prefixo 19154, que opera na linha 637, do Terminal Rodoviário Metropolitano de Campinas ao Jardim Picerno, em Sumaré, por volta das 22h10.

Felipe, que trabalhava como vendedor em uma loja de roupas no Parque Dom Pedro Shopping, estava retornando do trabalho e havia embarcado no ônibus no Terminal Metropolitano, anexo ao Terminal Rodoviário Ramos de Azevedo, na Vila Industrial, em Campinas.

O bandido, por sua vez, embarcou no ponto da Estação Anhanguera, localizado na Avenida Lix da Cunha, altura do Jardim Eulina. Esse local é conhecido por sua alta presença de usuários de drogas e de moradores em situação de rua, sendo também um ponto de parada de diversas linhas intermunicipais e municipais.

Conforme relatos prestados pelo motorista do ônibus às autoridades policiais, o criminoso embarcou no veículo e permaneceu discretamente atrás do condutor, não evidenciando suas intenções criminosas. Contudo, após o ônibus percorrer aproximadamente 300 metros, já na marginal da Rodovia Anhanguera (SP-330), próximo ao posto de combustível Quinta do Marques, o assaltante, munido de uma faca, anunciou o assalto.

Felipe, ocupando a parte traseira do coletivo e conhecendo o motorista, segundo relato do pai da vítima, o sociólogo Lucimar Leandro, de 53 anos, aproximou-se do criminoso e do condutor na tentativa de diálogo. "Meu filho tinha essa personalidade de ajudar as pessoas. Ele nunca chegava já agredindo. Defendia que tudo tinha que ser conversado. Uma testemunha me disse que ele tentou conversar com o criminoso, que se voltou contra ele e já o golpeou", contou Lucimar.

Alguns passageiros registraram o momento inicial do socorro à vítima. O pânico se instaurou e um passageiro auxiliou a conter o ferido até a chegada à UPA. Felipe foi atingido por dois golpes no peito e um na perna.

Residente com os avós no Jardim Picerno, Felipe nutria o sonho de cursar Direito para tornar-se juiz, inclusive frequentava cursinho preparatório para ingressar em uma universidade pública. Há um mês, começou a trabalhar. "Ele sempre atuou como vendedor. Estava contente por realizar seu sonho, inclusive hoje (segunda-feira) receberia seu primeiro pagamento", acrescentou o pai. "Meu filho era inteligente, educado. Gostava de auxiliar as pessoas. Exigimos justiça, que esse criminoso seja identificado e detido. Não podemos permitir impunidade", desabafou.

Segundo relato do inspetor da empresa de ônibus às autoridades, dez minutos antes de adentrar no coletivo da linha 637, o suspeito esteve em outro veículo, onde provocou tumulto. Foi expulso pelo motorista, que utilizou um pedaço de pau para se defender e expulsá-lo do ônibus.

O corpo do jovem foi sepultado na tarde de segunda-feira no Cemitério da Saudade, em Sumaré. O caso está sob investigação da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Campinas. Este é o primeiro latrocínio registrado na cidade este ano. No ano anterior, foram sete casos, dois dos quais ocorreram entre janeiro e abril. Em 2022, foram cinco casos, também dois dos quais nos primeiros quatro meses.

Em nota, a Empresa Metropolitana de Transporte Urbano (EMTU) informou que as paradas metropolitanas ao longo da Avenida Lix da Cunha (Parada Alberto Sarmento; Parada Balão do Tavares e Estação Anhanguera) são administradas pelo Consórcio Bus+, com monitoramento por câmeras 24 horas e rondas de segurança privada. Não foram registradas ocorrências similares anteriormente. "Quanto ao sistema de pagamento, o passageiro pode embarcar pagando com bilhete ou dinheiro", destacou.

O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros da Região Metropolitana de Campinas (SetCamp), representante do consórcio, lamentou o incidente e relatou que o motorista ficou em estado de choque, sendo atendido no local. O SetCamp registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil e uma equipe acompanha o desenrolar do caso.

Assuntos Relacionados
Compartilhar
Correio Popular© Copyright 2024Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por