em campinas

Estudantes se queixam da comida de bandejão da Unicamp

Além da falta de qualidade, eles apontam “descaso” da universidade em caso de morte de funcionária terceirizada

Isadora Stentzler/ [email protected]
30/09/2022 às 09:01.
Atualizado em 30/09/2022 às 15:40
Estudantes realizam as suas refeições no restaurante da Unicamp (Rodrigo Zanotto)

Estudantes realizam as suas refeições no restaurante da Unicamp (Rodrigo Zanotto)

Estudantes voltaram a criticar a terceirização dos serviços prestados no restaurante universitário da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), depois que a técnica em nutrição Cleide Aparecida Lopes morreu na noite de segunda-feira (26), devido a um acidente vascular cerebral sofrido no ambiente de trabalho, na Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA), em Limeira. Segundo os alunos, houve descaso por parte da instituição, que manteve o atendimento no refeitório, mesmo com a confirmação da morte da funcionária. Os estudantes movem um abaixo-assinado cobrando luto oficial e mudanças na terceirizada, responsável pela alimentação e coordenação dos refeitórios. 

Na terça-feira, estudantes realizaram um ato no campus de Limeira e iniciaram o documento pedindo que o reitor Antonio José de Almeida Meirelles, Tom Zé, decrete luto oficial pela morte da técnica. 

Representando o Diretório Central dos Estudantes (DCE), Sara chamou de "absoluta desumanidade" a forma como a administração do campus agiu diante da morte da trabalhadora.

"Isso é apenas uma demonstração da face mais absurda da terceirização. O movimento estudantil já tem se mobilizado tanto em Barão [Geraldo]quanto aqui em Limeira há alguns meses, denunciando essa troca de empresa, a precarização do trabalho dos bandejões e as condições de trabalho que são absolutamente inviáveis para essas trabalhadoras (...) e agora essa demonstração de absoluta desumanidade do bandejão e dessa terceirização, fazendo elas trabalharem um dia após a morte da amiga delas", disse, em vídeo. 

Outra estudante associou o descaso com a morte da servidora ao ocorrido em abril de 2021, quando um funcionário do hipermercado Carrefour do Limão, da Zona Norte de São Paulo, morreu em um acidente com uma empilhadeira e os colegas permaneceram em atividade. Em nota, a reitoria da Unicamp lamentou o ocorrido e disse que a funcionária chegou a ser atendida por socorristas, mas não resistiu. A reitoria informou ainda que se solidariza com familiares e amigos de Cleide. 

Denúncias na alimentação 

As reclamações dos estudantes vão além e recaem ainda sobre a empresa Soluções Serviços Terceirizados Ltda, que assumiu os serviços de alimentação no dia 5 de setembro deste ano, mediante licitação aberta para atender um pedido do Tribunal de Contas do Estado (TCE). 

À reportagem do Correio Popular, alunos apontaram que, desde a mudança, as bandejas em que são servidas as refeições vêm sujas. Nelas já foram encontradas larvas, fios de cabelo, baratas, gravetos e pequenas pedras no meio dos alimentos. Eles ainda afirmam que já chegaram a receber a carne mal cozida e que passaram mal após a refeição. "Não só eu, mas vários amigos meus já passaram mal depois de ter comido", afirmou um estudante de 19 anos, que integra o movimento estudantil, mas que pediu para não ser identificado. 

Hoje, cada refeição no bandejão custa R$ 3. Para quem é bolsista, como a estudante de artes cênicas Mônica Moretti, de 25 anos, ela sai de graça e se torna a única opção de alimento. Embora ela veja que a nova administradora traz mais opções, a qualidade dos alimentos caiu, sendo a sua opção ainda assim por não ter condições de arcar com outra refeição. 

A Vigilância Sanitária de Alimentos da Prefeitura foi acionada pelos estudantes e uma das equipes esteve no local no último dia 23. Segundo nota da Vigilância, "não foram encontradas evidências que comprovassem as denúncias" e que "o estabelecimento é acompanhado pelo órgão municipal". Ela disse ainda que novas denúncias voltarão a ser verificadas.

Em nota, a Unicamp se manifestou sobre o falecimento de Cleide Aparecida Lopes. Confira:

A Reitoria da Unicamp lamenta profundamente o falecimento da técnica em nutrição Cleide Aparecida Lopes, funcionária da Soluções Serviços Terceirizados, empresa que administra o Restaurante Universitário (RU) da Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA) de Limeira. A Universidade manifestou publicamente seu pesar por meio de notas oficiais de três órgãos diretamente envolvidos (Faculdade de Ciências Aplicadas, Secretaria de Administração Regional - SAR e Reitoria) e por suas redes sociais.

Cleide Aparecida Lopes faleceu em razão de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) nas dependências do restaurante universitário de Limeira. A funcionária não tinha vínculo no contrato anterior, administrado pelo Funcamp, tendo sido admitida pela empresa Soluções Serviços Terceirizados no dia 28 de agosto de 2022. No momento do falecimento da funcionária, o restaurante já estava fechado para o atendimento ao público. A equipe realizava atividades internas para o encerramento do expediente. A SAR e a Empresa Soluções realizaram imediatamente os procedimentos de socorro e atendimento médico. Como o serviço de alimentação é uma atividade essencial da Universidade, tanto pelo grande volume de refeições a serem oferecidas, quanto pela sua complexidade logística, as atividades foram retomadas no dia seguinte. Segundo informe realizado pela Soluções à Unicamp, a empresa ofereceu suporte psicológico à família e aos funcionários, bem como apoio nos procedimentos funerários.

Sobre o Contrato Soluções

A Unicamp – por meio da Diretoria Executiva de Administração, da Diretoria Geral de Administração, da Prefeitura do Campus e da Secretaria de Administração Regional – constituiu um Comitê Gestor que acompanha as atividades da empresa. O Comitê monitora, avalia e fiscaliza diariamente as atividades operacionais, nutricionais e sanitárias da empresa Soluções nos Restaurantes Universitários. Todas as denúncias enviadas por vias oficiais e não oficiais estão sendo averiguadas pelo Comitê e, se constatadas como verídicas, serão objetos de atuação administrativa e jurídica. A Universidade não pode, no entanto, realizar ações de punição e quebra de contrato de forma apressada, sem a devida observância aos termos contratuais e aos trâmites administrativos previstos na legislação.”

Assuntos Relacionados
Compartilhar
Correio Popular© Copyright 2024Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por