Publicado 21 de Dezembro de 2021 - 8h40

Por Do Correio Popular

Agente de saúde prepara dose de vacina contra a covid: 14 postos de vacinação sem agendamento

Ricardo Lima

Agente de saúde prepara dose de vacina contra a covid: 14 postos de vacinação sem agendamento

O Ministério da Saúde publicou nota técnica na manhã de ontem, na qual determina a redução do intervalo de aplicação da dose de reforço da vacina contra o coronavírus para quatro meses. O documento também estabelece agora uma quarta dose do imunizante, a ser aplicada quatro meses depois da terceira em todos os pacientes imunossuprimidos acima dos 18 anos, o que deve beneficiar até cinco mil pessoas em Campinas, de acordo com informações da Secretaria Municipal de Saúde. A Pasta, no entanto, não soube precisa quantas pessoas, neste caso, já tomaram a terceira dose, uma vez que o imunizante continua sendo aplicado nos postos de saúde.

Para dar início ao planejamento da quarta dose para imunossuprimidos, ou da aplicação do imunizante para crianças na faixa de 5 a 12 anos, a Prefeitura aguarda documentação técnica do governo do Estado, mas enfatiza que o uso dá máscara continua sendo obrigatório, inclusive em ambientes abertos.

A nota do Ministério da Saúde é assinada por Rosana de Leite Melo, secretária executiva de Enfrentamento à Covid-19 do Ministério da Saúde. No documento, ela frisa "a capacidade das diferentes vacinas em induzir memória imunológica, bem como de amplificar a resposta imune com dose de reforço ao esquema vacinal inicial na população em geral acima de 18 anos de idade no Brasil".

Para aqueles que têm 18 anos ou mais e foram imunizados com a vacina de aplicação única da Janssen, a dose de reforço (segunda) deve ser administrada dois meses depois. Já gestantes e puérperas (45 dias após o parto) devem receber o reforço cinco meses após completarem o esquema vacinal. Neste caso, o imunizante indicado é o da Pfizer.

A estratégia foi anunciada como uma forma de conter o avanço da variante Ômicron no Brasil. Em São Paulo, o intervalo de quatro meses para a dose de reforço foi adotado desde o último dia 2.

A ideia de uma quarta dose foi inicialmente apresentada por Rosana em 8 de outubro, durante reunião com a Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização (CTAI). Na ocasião, a secretária apresentou quatro cenários possíveis de planejamento da compra de vacinas para 2022. Em dois dos modelos propostos, o governo federal previa a vacinação semestral de idosos acima dos 60 anos

Na lista de comorbidades encaradas como "alto grau de imunossupressão" pelo Ministério da Saúde, estão: imunodeficiência primária grave; quimioterapia para câncer; transplantados de órgão sólido ou de células tronco hematopoiéticas (TCTH) com uso de drogas imunossupressoras; pessoas vivendo com HIV/AIDS; uso de corticóides em doses =20 mg/dia de prednisona, ou equivalente, por =14 dias; uso de drogas modificadoras da resposta imune; auto inflamatórias, doenças intestinais inflamatórias; pacientes em hemodiálise; e pacientes com doenças imunomediadas inflamatórias crônicas.

Sem agendamento

A Secretaria de Saúde também definiu 14 centros de saúde que passam a oferecer a vacina contra a covid-19 sem a necessidade de agendamento até o próximo dia 30. A imunização contempla todos os públicos e oferece 1ª e 2ª doses e a dose adicional, conforme os intervalos determinados pela Programa Estadual de Imunização. Para saber quais postos estão oferecendo o serviço basta acessar o vacina.campinas.sp.gov.br. Já as marcações de dia, local e horário continuam mantidas em 51 unidades. As pessoas que já agendaram devem comparecer aos locais nos dias e horários marcados. Em ambos os casos é preciso levar documento com foto e CPF. No caso de segunda dose ou dose adicional é necessário apresentar também o cartão de vacinação impresso ou digital.

Os menores de idade devem levar RG e/ou CPF. Eles precisam estar acompanhados dos pais ou apresentar autorização assinada por eles e pelo responsável legal.

Escrito por:

Do Correio Popular