Publicado 25 de Novembro de 2021 - 9h43

Por Mariana Camba/ Correio Popular

Pedestres caminham pela Rua 13 de Maio, no Centro de Campinas: na prática, uma parcela da população já vem dispensando o uso da máscara quando está em local aberto

Ricardo Lima

Pedestres caminham pela Rua 13 de Maio, no Centro de Campinas: na prática, uma parcela da população já vem dispensando o uso da máscara quando está em local aberto

O uso de máscara de proteção à covid-19 em locais abertos foi liberado a partir do dia 11 de dezembro no Estado de São Paulo. O anúncio foi feito ontem pelo governador João Doria, que reforçou que em ambientes fechados e no transporte público a obrigatoriedade será mantida. De acordo com Doria, a decisão foi amparada no avanço da vacinação, tendo em vista que atualmente 74,5% da população geral do Estado estão com o ciclo vacinal completo. A expectativa do governador é de alcançar 80% até o dia 30 deste mês. A Prefeitura de Campinas, que tem seguido as decisões do governo estadual, informou ontem que novas medidas de enfrentamento à pandemia serão anunciadas somente na próxima semana.

Para que a flexibilização ocorra em dezembro com mais segurança, o governo estadual informou que a partir do dia primeiro do próximo mês até o dia 10 será feita uma mobilização para intensificar a imunização contra o novo coronavírus em todo o Estado. Neste período, as pessoas que ainda não tomaram a segunda dose e dose de reforço devem completar o ciclo vacinal. Segundo a coordenadora geral do Programa Estadual de Imunização (PEI), Regiane de Paula, os que ainda não completaram o ciclo vacinal devem fazê-lo até o próximo dia 10 para que durante as datas festivas, como Natal e Ano Novo, todos estejam protegidos. Ela ressaltou que em relação à população adulta o índice de imunizados com duas doses alcançou 92,89%.

"O número de faltosos ainda nos preocupa. Em torno de 4,3 milhões de pessoas ainda não voltaram para tomar a segunda dose em São Paulo. O imunizante contra a covid-19 proporciona proteção individual e coletiva, por isso trata-se de uma questão de saúde pública", informou Regiane. Em relação aos adolescentes, em torno de 53% ainda não completaram o ciclo vacinal no Estado. O secretário de Saúde Jean Gorinchteyn, reforçou que os dados pandêmicos continuam em queda. Nesta semana, os casos da doença diminuíram 15,8%, assim como as internações (6%) e óbitos (26%).

Regiane reforçou que ao atingir 75% de toda a população vacinada, o Estado também alcançará uma das métricas que definem um patamar admissível da pandemia. "O nosso objetivo agora é ir além", garantiu a coordenadora geral do PEI. Mesmo com o anúncio da flexibilização, o coordenador do Comitê Científico, Paulo Menezes, reiterou que ainda é precoce deixar de usar a peça de proteção em locais abertos com aglomerações. Afinal, acrescentou, a circulação do novo coronavírus persiste. Em relação à autonomia dos municípios para seguir ou não a medida anunciada pelo Estado, Doria informou que antes do dia 11 nenhuma cidade paulista poderá liberar o uso de máscara ao ar livre, mas que as prefeituras podem optar por seguir medidas mais restritivas.

Em relação aos índices estabelecidos pelo Comitê Científico para o uso da máscara fosse liberado em locais abertos, Gorinchteyn garantiu que, apesar de os marcadores não terem sido atingidos, isso deve ocorrer nos próximos dias. O ideal seria que a média móvel do número de casos confirmados no Estado não ultrapassasse 1,1 mil, as internações, 300 e óbitos, 50. "A liberação do uso de máscara em ambientes abertos foi adotada com base no atual momento. Mas temos a consciência de que mais adiante os dados terão que ser reavaliados para que possamos estabelecer ou não a continuidade dessa decisão", declarou o secretário de Saúde do Estado.

Em nota, a Prefeitura de Campinas informou ontem que as regras envolvendo o uso de máscara e as comemorações relativas ao Réveillon e Carnaval serão definidas após a conclusão da análise epidemiológica dos números da covid-19 no município, e depois da publicação dos novos decretos estaduais.

A professora de educação física Gislaine Dasmaceno, de 30 anos, aprovou a não obrigatoriedade do uso de máscara em espaços abertos. Segundo ela, a maior parte da população já dispensou o uso da peça, mesmo antes do anúncio do governador. "No início da pandemia a máscara foi essencial. Afinal, ninguém estava vacinado. Mas agora, a maioria das pessoas está imunizada. Por isso não vejo problema em não usar", afirmou.

Escrito por:

Mariana Camba/ Correio Popular