Publicado 25 de Novembro de 2021 - 9h10

Por João Lucas Dionisio/Correio Popular

Estrutura montada para receber os eleitores que escolherão hoje a nova diretoria da OAB-Campinas: pela primeira vez, pleito contará com o uso de urnas eletrônicas

Ricardo Lima

Estrutura montada para receber os eleitores que escolherão hoje a nova diretoria da OAB-Campinas: pela primeira vez, pleito contará com o uso de urnas eletrônicas

A Ordem dos Advogados do Brasil em Campinas (OAB-Campinas) elege hoje o seu presidente para o triênio 2022-2024. A Subsecção do município conta com aproximadamente 13 mil advogados aptos a votar. Neste ano, pela primeira vez, os eleitores vão contar com a urna eletrônica para escolher a chapa que vai comandar a entidade. Antes, o equipamento era utilizado apenas para a eleição da OAB estadual. Ao todo, quatro candidatos concorrem ao pleito. São eles: Adelaide Albergaria Pereira Gomes, Luciana Gonçalves de Freitas, José Carlos Sedeh de Falco II e Orestes Fernando Corssini Quércia. A votação vai ocorrer das 9h às 17h na Casa da Advocacia de Campinas, localizada na Rua Lupércio Arruda Camargo, 111, no Jardim Santana, ao lado da Cidade Judiciária.

Além da votação para escolher os representantes da Subseção de Campinas, o eleitor também vai eleger a diretoria da OAB estadual, que conta com 400 mil advogados inscritos, sendo que 350 mil estão aptos a votar. O voto é obrigatório e será feito por meio de urna eletrônica em todas as 253 subseções do interior e em 14 pontos da Capital. Poderão exercer o direito de escolher os representantes os associados que estiverem em dia com o pagamento da anuidade da entidade. Quem não comparecer à eleição deve justificar a falta por escrito e enviar para a Diretoria do Conselho Seccional. Mesmo assim, pode ser multado em 20% do valor da anuidade.

Candidatos em Campinas

Adelaide Albergaria Pereira Gomes

Formada em direito pela Universidade São Francisco, concorre ao pleito da entidade pela chapa “OAB para 13 mil”. Uma das principais propostas da candidata é aproximar a entidade da população que vive nas áreas mais periféricas da cidade, avançando “para além da Rodovia Anhanguera", como definiu Adelaide. Além disso, a chapa pretende acabar com a injustiça salarial cometida contra mulheres e negros que advogam e elaborar projetos que possam incluir os recém-formados.

Por acreditar que a OAB-Campinas se omite em pautas relevantes para a sociedade e, ainda, peca em relação à transparência financeira interna da entidade, assim como em relação à atuação dos conselhos municipais, a chapa encabeçada por Adelaide formalizou a candidatura com o mote de "ressuscitar a verdadeira OAB". A presidenciável afirmou, durante a entrevista ao Correio Popular, que a candidatura nasceu de um projeto coletivo e sem viés personalista.

As únicas exigências na formação da chapa foram que todos os integrantes deveriam ser advogados efetivamente atuantes e que uma mulher deveria encabeçar a disputa pelo cargo principal. Feito o convite, a advogada aceitou a missão e prometeu cumprir o mandato com alegria, caso seja eleita. Advogada criminalista, Adelaide milita há três décadas no Movimento dos Advogados Independentes de Campinas (Maic), ao lado do companheiro de chapa e postulante à vice-presidência, Eduardo Surian Matias, um dos fundadores do movimento.

Luciana Gonçalves de Freitas

Advogada há 25 anos, resolveu dar um passo a mais na política dentro da OAB-Campinas. Após exercer o cargo de vice-presidente da entidade por seis anos, agora ela lança a própria candidatura à presidência pela chapa "Trabalho e Inovação". Luciana pretende dar continuidade às ações realizadas ao longo das últimas gestões à frente da OAB-Campinas, ampliando projetos como o "É pra JA", voltado aos jovens advogados. Pretende criar, ainda, um canal de comunicação com a Comissão de Prerrogativas e a oferta de suporte ao profissional que quer montar o seu primeiro escritório. Especialista em Direito Processual Civil e em Direito e Processo do Trabalho, Luciana, de 49 anos, é professora universitária há 20 e pretende usar a experiência que acumulou na qualificação da gestão da Ordem. Um dos pontos principais defendidos pela postulante à presidência da entidade é ampliar a capacitação de profissionais inexperientes e veteranos, por meio de sistema híbrido, com cursos presenciais e virtuais.

José Carlos Sedeh De Falco II

Graduado em direito pela Universidade São Francisco, disputará o pleito da OAB-Campinas pela chapa 'OAB Impacto', que tem José Rafael de Santis como candidato a vice-presidente. Oriundo de uma família tradicional na advocacia, De Falco II nunca havia considerado a possibilidade de concorrer a um cargo na diretoria da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Com a experiência acumulada nos anos de advocacia, o candidato espera modificar o estado atual das coisas, trazendo de volta o "respeito" ao advogado. A ideia é acolher a categoria e oferecer suporte prático para os jovens profissionais, tecnológico para os idosos e estruturais para mulheres que são mães, além de melhorar a acessibilidade para as pessoas com deficiência.

De Falco II é membro da Comissão de Direitos e Prerrogativas da OAB Campinas. As prerrogativas, explicou o advogado, são um conjunto de direitos essenciais, geralmente desconhecidos e confundidos pela população em geral como privilégios. Eles estão previstos em lei e garantem ao advogado liberdade, independência e autonomia para o exercício profissional e a defesa dos clientes. O presidenciável atua como advogado desde 2006 e é especialista em Direito Processual Civil e atuante, principalmente, na área de Direito Empresarial.

Orestes Fernando Corssini Quércia

Concorre pela chapa “OAB que eu quero”. É filho do ex-governador e ex-senador paulista Orestes Quércia. Tem 54 anos, é casado e tem três filhas e uma neta. Fernando Quércia comanda um escritório de advocacia em Campinas e São Paulo há mais de duas décadas. Incomodado com o “apagamento” da OAB-Campinas diante das causas e demandas sociais, como da própria classe de advogados, resolveu arregaçar as mangas e se comprometer a buscar mudanças para a entidade.

Entre as propostas, Quércia quer criar a "OAB Cashback”, que retornará parte da anuidade paga pelo associado em créditos virtuais, que poderão ser utilizados em produtos e serviços oferecidos pela própria OAB. Também pretende criar um espaço de convivência e oferecer suporte para todos os advogados na Casa do Advogado. A ideia é disponibilizar produtos e serviços que facilitem o dia a dia dos profissionais. O candidato propõe também dar oportunidade de participação a jovens advogados em comissões temáticas dentro da OAB, de acordo com suas especialidades.

Escrito por:

João Lucas Dionisio/Correio Popular