Publicado 15 de Setembro de 2021 - 9h34

Por Mariana Camba/ Correio Popular

Aeronave caiu segundos depois de decolar do Aeroporto de Piracicaba; autoridades aéreas iniciaram as investigações para apurar as causas do acidente

Mateus Medeiros/Gazeta de Piracicaba

Aeronave caiu segundos depois de decolar do Aeroporto de Piracicaba; autoridades aéreas iniciaram as investigações para apurar as causas do acidente

O empresário Celso Silveira Mello Filho, de 73 anos, sua esposa e seus três filhos morreram na manhã de ontem após a queda de um avião executivo em Piracicaba. Mello Filho era irmão de Rubens Ometto, presidente do Conselho de Administração do Grupo Cosan, um dos maiores conglomerados sucroalcooleiros do mundo. A aeronave modelo B200GT explodiu após colidir contra o solo, 15 segundos depois de decolar do Aeroporto Municipal Pedro Morganti. O acidente ocorreu por volta das 8h45 no bairro Santa Rosa, localizado ao lado do Parque Tecnológico, em uma plantação de eucaliptos. Também morreram o piloto e o copiloto do avião.

Além de Mello Filho, que também era acionista da Cosan, estavam a bordo da aeronave a esposa dele, Maria Luiza Meneghel Silveira Mello, de 71 anos, e os três filhos do casal: Celso Meneghel Silveira Mello, de 46 anos; Fernando Meneghel Silveira Mello, de 46 anos; e Camila Meneghel Silveira Mello Zanforlin, de 48 anos. A família estava acompanhada do piloto Celso Elias Carloni, de 39 anos, e do copiloto Giovanni Dedini Gullo, de 24 anos. O destino dos passageiros era o estado de Tocantins, segundo informações do boletim de ocorrência.

De acordo com a Prefeitura de Piracicaba, ainda durante a manhã o Corpo de Bombeiros do município localizou os sete corpos, que ficaram carbonizados. Cerca de 100 pessoas, entre policiais, servidores públicos e agentes da Defesa Civil, foram até o local para auxiliar no atendimento da ocorrência. A área permaneceu isolada para que os destroços da aeronave fossem recolhidos e para que o incêndio provocado pela colisão pudesse ser controlado. Em nota divulgada ontem, o Grupo Cosan lamentou a morte da família. O prefeito de Piracicaba, Luciano Almeida (DEM), decretou luto oficial de três dias no município.

Assim que recebeu a notícia, Almeida se dirigiu ao local do acidente e acionou equipes da Prefeitura, reunindo várias secretarias municipais e o Serviço Municipal de Água e Esgoto (Semae) em uma força-tarefa. O objetivo inicial era auxiliar na ação de resgate das vítimas. Na sequência, ficou constatado que não havia sobreviventes. "Lamento profundamente e presto minha solidariedade aos familiares e amigos das vítimas. Ficamos consternados com o acidente e, por isso, decretamos luto oficial no município como forma de prestar nossa homenagem neste momento tão difícil", informou o prefeito.

De acordo com o boletim de ocorrência registrado na 5ª Delegacia de Polícia (DP) de Piracicaba, quando os policiais chegaram ao local do acidente depararam com os destroços do bimotor espalhados por um morro repleto de grama e árvores. Naquele momento, ainda havia focos de incêndio na área, o que demandou a ação do Corpo de Bombeiros para combater as chamas.

Em nota, a Força Aérea Brasileira (FAB) informou que o Quarto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA IV), órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), encaminhou investigadores ao local em que a aeronave de matrícula PS-CSM caiu. Na ação inicial, informou a nota da FAB, os investigadores identificam indícios, fotografam cenas, retiram partes da aeronave para análise, ouvem relatos de testemunhas e reúnem documentos para tentar identificar as razões do acidente. "Não existe um tempo previsto para essa atividade ocorrer. Depende da complexidade da ocorrência", informou trecho do texto.

De acordo com o delegado titular da 5º DP, Fábio Rizzo de Toledo, foi instaurado inquérito policial para investigar as causas do acidente. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), informou Toledo, também vai apurar o que ocorreu antes da queda do avião. Segundo o delegado, serão necessários exames para a confirmação da identidade das vítimas e liberação dos corpos.

Em nota a Secretaria de Segurança Pública do Estado informou que foram solicitados exames periciais ao Instituto de Criminalística (IC) e Instituto Médico Legal (IML). A ocorrência foi registrada como sinistro em transporte aéreo. Em nota, a Anac informou que a situação de aeronavegabilidade do bimotor fabricado em 2019 era considerada normal, ou seja, estava com o certificado e manutenção em dia.

Escrito por:

Mariana Camba/ Correio Popular