Publicado 11 de Setembro de 2021 - 11h21

Por Rodrigo Piomonte/ Correio Popular

Campinas está na reta final da campanha de imunização das pessoas com a primeira dose contra a covid-19, alcançando 89,4% do público adulto com pelo menos uma aplicação

Ricardo Lima

Campinas está na reta final da campanha de imunização das pessoas com a primeira dose contra a covid-19, alcançando 89,4% do público adulto com pelo menos uma aplicação

O desabastecimento do imunizante AstraZeneca para aplicação de segunda dose que está sendo sentido na capital e em diversas cidades paulistas deve passar em branco por Campinas pelo menos nas próximas semanas. É o que garante o Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa), responsável pela campanha de vacinação contra a covid-19 na cidade.

Segundo o órgão municipal, Campinas possui estoque suficiente para completar o ciclo vacinal do público que recebeu a primeira dose da vacina européia, mesmo que o Estado não receba as doses previstas pelo Ministério da Saúde.

A diretora do Devisa, Andrea Von Zuben, disse não saber quantas pessoas aguardam para receber a segunda dose da AstraZeneca na cidade, mas reforçou o número expressivo de doses em estoque. "A gente está com um estoque bastante razoável e não creio que vai haver falta. Se a gente deixar de receber, a gente tem sempre uma margem de segurança", disse.

A diretora explica que esse atraso no envio de doses é contabilizado dentro do planejamento da campanha de imunização da cidade, o que permite um remanejamento em caso de necessidade. "Se a gente demorar duas a três semanas para receber não teremos problema. A gente pode colocar essas pessoas mais para frente", explica.

Ela reforça que Campinas não recebeu notícia oficial de que vai haver de fato desabastecimento de doses. "Toda a nossa comunicação é por nota técnica com o Estado e com o grupo de vigilância epidemiológica regional e isso até o momento não chegou para Campinas. Então não vejo isso como um problema para a cidade", disse.

A falta de doses da AstraZeneca atinge um milhão de pessoas em todo o Estado, segundo informações do governo estadual. Somente na capital são 200 mil pessoas. O desabastecimento do imunizante impede que parte da população complete o ciclo vacinal. O Ministério da Saúde justificou a destinação do imunizante para doses de reforço como causa dos atrasos na distribuição da vacina.

O drama sobre os estoques fez inclusive o governador João Doria (PSDB) anunciar nesta sexta-feira (10) uma possível ação no Supremo Tribunal Federal (STF) caso o Estado não receba cerca de um milhão de doses da vacina contra a covid-19 na próxima semana.

Desde o início da campanha de vacinação no país, o ciclo vacinal para o AstraZeneca se completa em 12 semanas, ou três meses. Em alguns casos esse intervalo foi encurtado na busca por ampliar a proteção da população contra a variante Delta do coronavírus. Dados do Ministério da Saúde apontam que a AstraZeneca oferece proteção parcial de 76%, 21 dias após a primeira aplicação.

Reta final

A caminho da reta final da campanha de vacinação do público-alvo para primeira dose, Campinas conta com a adesão à campanha do último grupo a ser vacinado, os dos adolescentes de 12 a 17 anos.

A abertura dos agendamentos para esse público ocorreu às 17h do dia 8 e obteve pouca procura, o que chegou a despertar preocupação das autoridades da cidade responsáveis pela campanha. No entanto, ontem, dois dias após a abertura do agendamento, a procura dos jovens registrou aumento. Segundo a Prefeitura, as mais de 13 mil vagas disponíveis para esse público foram totalmente preenchidas na madrugada. O fato fez a Secretaria de Saúde anunciar ontem a suspensão de todos os agendamentos para vacinação contra a covid-19 na cidade, por falta de doses.

Segundo a Prefeitura, as 8.102 vagas, disponibilizadas no final da tarde de quinta-feira para pessoas a partir de 18 anos, assim como as 13.098 abertas para adolescentes de 12 a 17 anos no último dia 8, foram totalmente preenchidas. A Prefeitura informa que a cidade agora aguarda a chegada de mais doses para reabrir o cadastro.

Apesar da suspensão, se uma pessoa agendada desmarcar ou cancelar, a vaga volta para o sistema e é novamente disponibilizada no site da Prefeitura (https://vacina.campinas.sp.gov.br).

A Administração informa que a suspensão é temporária e não afeta a vacinação, já que as vacinas das pessoas já agendadas (primeiras e segundas doses) e o agendamento da segunda dose estão garantidos com os estoques existentes. A segunda dose é marcada pelo serviço de saúde quando a pessoa recebe a primeira. Até o momento a cidade alcançou a imunização de 89,4% do público adulto, maior de 18 anos, com pelo menos uma dose.

Escrito por:

Rodrigo Piomonte/ Correio Popular