Publicado 10 de Setembro de 2021 - 10h11

Por João Lucas Dionisio/Correio Popular

Praticantes de beach tennis em quadra de Barão Geraldo: adesão aos óculos de proteção ainda é baixa

Ricardo Lima

Praticantes de beach tennis em quadra de Barão Geraldo: adesão aos óculos de proteção ainda é baixa

O tênis de praia, também conhecido como beach tennis, é a mais nova febre entre os brasileiros. Quadras de areia específicas para a prática do esporte se espalharam por todo o país nos últimos anos, e em Campinas de forma particular. Na visão de alguns atletas profissionais, por causa dessa difusão, o Brasil deve ocupar o topo do ranking mundial da modalidade em breve. O avanço da prática do beach tennis, porém, tem gerado uma espécie de efeito colateral indesejado. Oftalmologistas têm notado o aumento no número de acidentes oculares em praticantes que não utilizam óculos de proteção.

O oftalmologista Leôncio Queiroz Neto, do Instituto Penido Burnier, revela que os prontuários do hospital indicam um aumento no número de lesões nos olhos em adeptos do esporte, que 90% dos casos poderiam ser evitadas se eles usassem o equipamento de proteção adequado. "As lesões são causadas, na maioria das vezes, pelas pequenas bolas utilizadas durante o jogo, que chegam a atingir 200 quilômetros por hora", ressaltou o especialista.

Sem a utilização dos óculos, o impacto do objeto com o olho, segundo o médico, pode causar diversos problemas, como hifema, fratura na órbita, ruptura do globo ocular, hemorragia subconjuntival, inflamação da íris, hemorragia vítrea, ruptura ou descolamento da retina. Todos esses problemas, advertiu Neto, podem resultar na perda permanente da visão.

Além da importância dos óculos específicos para a prática, caso algum acidente ocorra durante a atividade, conforme o oftalmologista, é necessário que o atleta procure um especialista o mais breve possível. "Toda contusão requer um acompanhamento periódico por parte de um especialista, justamente para que o problema não se agrave", orientou Neto, que revelou ter atendido recentemente um atleta de beach tennis com a visão embaçada e com uma mancha de sangue nos olhos em decorrência de um sangramento na câmara anterior (espaço entre a córnea e a íris). Segundo o especialista, a pessoa que deseja praticar o esporte precisa de cautela para que não coloque a própria saúde em risco.

Boom

Secretário municipal de Esportes e Lazer em Campinas, Fernando Vanin, considerou o crescimento do esporte como um fator positivo para a saúde, desde que seja executado com segurança. "A Pasta é uma das grandes incentivadoras da prática de atividades físicas no município. Quanto mais iniciativas disponíveis para a população se exercitar, melhor", salientou. Segundo o secretário, um dos principais motivos para a ascensão do tênis de praia na cidade "é o fato de atrair muitas famílias e grupos de amigos, ocasionando uma febre positiva da modalidade." Em contato direto com os proprietários das quadras localizadas no município, Vanin reforçou a necessidade de uma campanha de conscientização para o uso de óculos de proteção, que deve ser viabilizada em breve.

O sócio proprietário de um dos principais centros de beach tennis de Campinas, que possui mais de mil alunos matriculados, Felipe Vallim, credita o crescimento do esporte a alguns fatores, como ser praticado ao ar livre. "Durante os últimos meses, tivemos uma enorme procura de pessoas que queriam experimentar a modalidade pela primeira vez ou que estão migrando de outro esporte", afirmou Vallim, que é atleta profissional da modalidade há cinco anos.

De acordo com, que empreende na área desde 2019, nenhuma lesão ocular foi registrada entre os atletas nas quadras. "Claro que existe o risco de um impacto, mas isso pode ocorrer em qualquer esporte que utilize uma bola. Sou atleta profissional há cinco anos e nunca sofri um acidente parecido", assegurou Vallim. Apesar de ser um esporte simples, segundo ele, alguns cuidados são necessários para a sua prática, como usar protetor solar, óculos e não descuidar da hidratação.

Escrito por:

João Lucas Dionisio/Correio Popular