Publicado 10 de Setembro de 2021 - 9h29

Por Rodrigo Piomonte/ Correio Popular

Sítio São José, da família do veterinário Eduardo Medina Abacherly, no Jardim Aeroporto: serviço de inspeção municipal anima produtores rurais

Diogo Zacarias

Sítio São José, da família do veterinário Eduardo Medina Abacherly, no Jardim Aeroporto: serviço de inspeção municipal anima produtores rurais

Formalizar os agricultores e empreendedores rurais de Campinas para que possam vender seus produtos de origem animal legalmente em grandes supermercados e feiras livres da cidade, gerando emprego e renda. Essa é a ideia central do Projeto de Lei do Executivo que cria o Sistema de Inspeção Municipal (SIM). O projeto foi anunciado ontem pelo Prefeito Dário Saadi (Republicanos) em entrevista coletiva transmitida pelas redes sociais.

Demanda antiga do segmento rural da cidade, o programa de inspeção municipal prevê um processo de fiscalização dos produtos alimentícios de origem animal como forma de incentivar e regularizar os produtores rurais, agregando valor ao produto vendido.

O projeto, que é a décima primeira ação anunciada do Programa de Ativação Econômica e Social (PAES), cria um selo para o produto certificado que servirá, inclusive, de garantia de qualidade sanitária para os consumidores que venham a adquirir esses produtos de origem animal produzidos na cidade, como ovos, leite, mel, pescado, carnes, queijos, embutidos entre outros.

A secretária de Desenvolvimento Econômico, Social de Campinas, Adriana Flosi, que realizou a apresentação sobre o SIM, disse que o projeto busca incentivar os pequenos produtores e habilitá-los a atender a redes varejistas da cidade, e com isso possibilitar até preços mais acessíveis aos consumidores.

"É uma demanda do setor, que fez o pedido para isso. Queremos incentivar pequenos produtores e empreendedores rurais e ainda habilitá-los para que possam atender as redes varejistas de Campinas e sair da informalidade, atraindo mais empreendedores e indústrias alimentícias para a cidade", disse.

O projeto de lei foi assinado ontem pelo prefeito e será encaminhado para a Câmara de Vereadores para ser apreciado e votado. Durante esse processo, a Prefeitura informou que seguirá trabalhando na estruturação da metodologia de aplicação do processo de inspeção. Uma cartilha para orientar os produtores rurais tem previsão também de ser preparada no período. Se tudo correr dentro do previsto, a Prefeitura informa que na prática o SIM deverá se tornar realidade até o início de 2023.

Uma estrutura está sendo criada dentro do Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa). Segundo a diretora do Devisa, Andreia Von Zuben, o órgão ficará responsável por inspecionar os produtos de origem animal produzidos em Campinas para que eles recebam o selo. "Nem sempre aquele produto que achamos que é saudável, por ser natural, passou por um padrão sanitário e que pudesse ganhar um selo para ser vendido legalmente na cidade. Agora, com o SIM essa situação muda", disse.

A diretora do Devisa reforça a ideia de que a produção rural inspecionada e com o selo vai permitir uma agregação de valor ao produto local, além de estimular todo o setor e uma cadeia produtiva. "Para a vigilância é importante ter mais alimentos saudáveis para a população. Teremos produtos mais seguros. E com isso terá mais acesso a mercados e gerar, consequentemente, mais trabalho e renda", explica.

Ela reforça que o SIM poderá ser utilizado por produtores rurais e empreendedores que produzem ou manipulam produtos de origem animal e seus derivados, como leite, carne, ovos, pescados, mel entre outros.

Área rural

De acordo com informações da Prefeitura, cerca de 50% do território da cidade é rural. Essa área é formada, de acordo com o Sindicato Rural de Campinas, de pelo menos 1,6 mil propriedades cadastradas. Dessas, 760 tem algum tipo de produção.

Entre elas, e talvez uma das mais tradicionais, é a da família do veterinário Eduardo Medina Abacherly, de 25 anos. Quinta geração de produtores rurais de Campinas, a propriedade da qual toma conta, o sítio São José, na região do Jardim Aeroporto, trabalha com a produção de leite e derivados.

Para o veterinário, um sistema de inspeção municipal vai ajudar bastante o segmento. "Isso ajuda muito a escoar a produção. Os produtores rurais da cidade buscavam isso há muito tempo. Chega em boa hora", disse. Segundo ele, sem o SIM, a venda era realizada para cooperativas de outros Estados que possuem sistemas de inspeção ou mesmo na informalidade. "Agora pode ser que as coisas fiquem mais fáceis", espera.

O presidente do Sindicato Rural de Campinas, Francisco Nogueira, também elogiou a iniciativa. "Nós pedimos isso desde a época do ex-prefeito Magalhães Teixeira, há mais de 25 anos", disse. No futuro, o projeto deve se expandir para o nível regional e depois estadual.

Escrito por:

Rodrigo Piomonte/ Correio Popular