Publicado 10 de Setembro de 2021 - 9h22

Por Thifany Barbosa/ Correio Popular

Foram encontradas no local cerca de duas toneladas de equipamentos de torres de transmissão de sinal

DIGDeicCampinas

Foram encontradas no local cerca de duas toneladas de equipamentos de torres de transmissão de sinal

 Um jovem de 21 anos foi preso em flagrante na tarde de anteontem em um barracão, no Jardim Satélite Íris, em Campinas, onde estavam centenas de fios e cabos de energia furtados de duas empresas telefônicas. No local, os policiais encontraram mais de 1 milhão de peças. O suspeito alegou, inicialmente, que não sabia a origem dos materiais. Entretanto, em um segundo momento, afirmou que revendia o produto a pequenas empresas de transmissão de sinal de internet clandestino, conhecidas por oferecerem o popular "gatonet".

De acordo com a corporação, policiais civis da Divisão Especializada de Investigações Criminais (Deic), através da 1ª Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Campinas, com apoio da Guarda Municipal, estavam investigando os casos de furtos de fios e cabos de energia na cidade e suspeitaram de um barracão de sucatas no Jardim Satélite Íris, com diversos fios de alumínio, escadas e painéis de telefonia de uma empresa telefônica.

Além disso, foram encontradas no local aproximadamente duas toneladas de equipamentos de torres de transmissão de sinal de outra empresa, tanto novos quanto usados, que estavam armazenados no interior do barracão de forma irregular.

A investigação apontou que todo o material teria sido furtado de quadros de telefonia de rua, escadas de veículos das empresas e de torres de transmissões de sinais, todos de uso exclusivo da iniciativa privada.

A polícia e a GM entraram em contato com os representantes das duas companhias para averiguar a origem do material apreendido. Os mesmos foram até o barracão e confirmaram a procedência dos equipamentos. Caminhões de uma das empresas foram buscar as mais de um milhão de peças da empresa.

Revenda ilegal

O proprietário do barracão foi preso em flagrante e não soube justificar os materiais ali encontrados. No entanto, informalmente, contou que costumava adquirir os materiais e equipamentos de diversos lugares de São Paulo e de outros estados, como do Pará, há três anos.

Os produtos eram então revendidos a pequenas empresas de transmissão de sinais de internet clandestina, conhecidas por oferecerem o popularmente conhecido “gatonet”, Entretanto, ele não revelou quem seriam os seus fornecedores. O representante da Claro/NET confirmou que esse tipos de situação criminosa e comum e que a empresa vem buscando soluções para combater essa modalidade de furto.

Após o flagrante, o suspeito foi autuado por receptação qualificada e encaminhado à cadeia do 2º Distrito de Polícia de Campinas, no bairro São Bernardo.

Escrito por:

Thifany Barbosa/ Correio Popular