Publicado 19 de Agosto de 2021 - 12h00

Por Do Correio Popular

Filó Santos, diretora do SINTPq, entrega tablet a representante do Projeto Gente Nova, de Campinas: tecnologia representa janela para a informação e o conhecimento

Kamá Ribeiro

Filó Santos, diretora do SINTPq, entrega tablet a representante do Projeto Gente Nova, de Campinas: tecnologia representa janela para a informação e o conhecimento

Alunos da rede pública das cidades de Campinas e São Paulo receberam 110 tablets doados por empresas e pessoas físicas que aderiram à campanha realizada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Pesquisa, Ciência e Tecnologia (SINTPq). Representantes da ação "SINTPq pela Inclusão na Educação", realizaram recentemente a entrega dos aparelhos nas entidades Progen - Projeto Gente Nova, em Campinas, e no Instituto Rogacionista, na Capital paulista.

José Paulo Porsani, presidente do SINTPq, explicou que a proposta da iniciativa é auxiliar com ferramentas da Educação as comunidades mais vulneráveis neste período de pandemia de covid-19. "Os integrantes do sindicato buscam a melhoraria da qualidade de vida dos trabalhadores e tentam diminuir as injustiças sociais que acontecem no dia a dia do trabalho", disse. "Por ter esse viés em seu DNA, a diretoria abraçou de primeira essa demanda que chegou pela diretora Filó Santos, que teve a ideia de buscar uma nova forma de ajudar as crianças e os adolescentes que estão com dificuldades para estudar na pandemia", acrescentou.

O sindicato foi recebido pela diretora presidente do Progen, Sonia Scheffer, além do diretor tesoureiro Dettloff von Simson e das coordenadoras Marcela Souza e Izabel Almeida. Na ocasião, foram entregues 60 tablets à entidade, que foram encaminhados para utilização de crianças e adolescente atendidos pelos projetos desenvolvidos nas quatro unidades existentes em Campinas.

O Progen assiste há 37 anos crianças e adolescentes da periferia de Campinas por meio de ações sociais e educacionais. Sonia Scheffer destacou a diferença que cada tablet fará na educação do público atendido pela instituição. Por causa das limitações impostos pelas suas condições socioeconômicas, as crianças e adolescente não possuem acesso a recursos tecnológicos.

O Instituto Rogacionista, instalado em São Paulo, recebeu a doação de outros 30 tablets angariados na campanha. A entidade atua na capital paulista desenvolvendo projetos de assistência e inclusão social por meio de cursos de capacitação, atividades educacionais, esporte, cultura e ações de segurança alimentar. O SINTPq foi recebido pela diretora executiva do instituto, Dulcinéa Pastrello. Durante a breve cerimônia de entrega dos equipamentos, os participantes destacaram a importância de iniciativas que combatam a desigualdade de oportunidades, principalmente no acesso à educação.

A idealizadora da iniciativa, a sindicalista Filó Santos não escondeu a satisfação ao ver o projeto concretizado: "É um momento muito feliz para todos nós. Quando você começa uma campanha desta magnitude, não tem como saber quantas doações receberá, considerando se tratar de um equipamento que não é trivial. Uma criança da periferia não tem acesso a isso. Normalmente, ela a tecnologia pela vitrine, mas não tem acesso a essas ferramentas", disse. "Com a campanha, essas crianças poderão acessar essa verdadeira janela de informação e conhecimento. Isso é ainda mais gratificante quando lembramos o quão absurda é a desigualdade social neste país'', completou. Os 20 tablets restantes foram entregues para crianças e famílias atendidas pelo Projeto Agbara, que atua na cidade de Campinas.

Escrito por:

Do Correio Popular