Publicado 06 de Agosto de 2021 - 12h48

Por Correio Popular

Veículo de luxo, do empresário assassinado em um condomínio de Valinhos, foi apreendido pela Polícia Civil

Wagner Souza/Futurapress/EC

Veículo de luxo, do empresário assassinado em um condomínio de Valinhos, foi apreendido pela Polícia Civil

O empresário morto a tiros pelo filho de 14 anos em um condomínio de luxo em Valinhos, teve os bens apreendidos pela Polícia Civil para que seja apurada a origem deles. O crime aconteceu na última terça-feira, 3, e aponta para a possibilidade de legítima defesa do adolescente.

De acordo com as autoridades, o homem já tinha histórico violento, usava documentos falsos, e registrava antecedentes pelos crimes de estelionato e uma condenação na Justiça do Paraná por uma série de cheques sem fundos, em 2000.

A expectativa dos investigadores é a de traçar o perfil e histórico do empresário, que dizia atuar no mercado de comércio exterior e no segmento de som automotivo.

O empresário era conhecido pela coleção de carros luxos, avaliada em milhões, entre eles uma McLaren, Maserati, Lamborghini e BMW.

Além disso, na residência foi encontrado um cofre com dinheiro em espécie de vários países e oito armas escondidas em vários cômodos da casa, incluindo um fuzil calibre 556, que é considerada uma “arma de guerra”, de uso exclusivamente militar, e uma carabina ponto 40, duas pistolas 9mm, duas pistolas calibre 380 e dois revólveres, um 45 e outro 380.

Relembre o caso

Um homem agrediu a esposa em casa, em Valinhos, e, quando o filho adolescente foi tentar defender a mãe, foi ameaçado pelo pai com uma barra de ferro. O adolescente, de 14 anos, atirou três vezes contra o pai em legítima defesa. 

Conforme a Polícia Militar, a corporação foi acionada pelo filho, que confessou ter atirado no pai. Quando os agentes chegaram no local, já encontraram o homem caído dentro do carro, na garagem do imóvel. O socorro chegou a ser acionado, mas o empresário já estava morto.

A ocorrência foi registrada na delegacia de Valinhos como ato infracional e homicídio em legítima defesa.

Escrito por:

Correio Popular