Publicado 06 de Agosto de 2021 - 11h49

Por Rodrigo Piomonte/Correio Popular

Funcionários de startup da área da Tecnologia da Informação em atividade em Campinas: Prefeitura quer atrair mais negócios de base tecnológica

Ricard Lima/Correio Popular

Funcionários de startup da área da Tecnologia da Informação em atividade em Campinas: Prefeitura quer atrair mais negócios de base tecnológica

Com o objetivo de fomentar o desenvolvimento em áreas estratégicas de ciência e tecnologia, a Prefeitura de Campinas deu mais um passo para criar um ambiente de negócios favorável na cidade, atrair investimentos e agora ampliar o número de startups no município. O prefeito Dário Saadi (Republicanos) assinou e enviou ontem à Câmara de Vereadores um projeto de lei propondo a instituição da Lei de Inovação, que tem por propósito incentivar o empreendedorismo inovador e definir regras de relacionamento e contratação de startups pelo poder público com condições especiais e mais simplificadas.

A iniciativa foi anunciada em live realizada por Dário em suas redes sociais.

Basicamente, a definição de startup é uma empresa que tem um modelo de negócios criado a partir de uma ideia inovadora, com custos de manutenção baixos e crescimento rápido. Normalmente, esse modelo de empresa usa a tecnologia para o seu funcionamento. A expectativa da administração é que, a partir do projeto, Campinas se torne mais atrativa para esse tipo de negócio e atraia investimentos, fazendo com que o número de startups na cidade seja ampliado em 30% nos dois primeiros anos.

Atualmente, são 500 empresas de base tecnológica atuando no município, segundo dados da divulgados pela Prefeitura.

Segundo o prefeito, ao estabelecer medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo, o projeto ajuda a consolidar a cidade como polo de alta tecnologia. "Houve a aprovação, em julho, de uma lei federal que estabeleceu o marco legal das startups e do empreendedorismo inovador no país. A partir dessa legislação, que definiu regras de relacionamento e contratação de startups pelo poder público, Campinas fez a adaptação para se tornar a primeira cidade a lançar a Lei da Inovação, consolidando o município como um hub da inovação", considerou o prefeito.

Caso seja aprovada no Legislativo, a Lei da Inovação permitirá que as startups tenham apoio do Poder Público para melhorar a gestão e os serviços prestados à população. Segundo a secretária municipal de Desenvolvimento Econômico, Adriana Flosi, outro ponto bastante inovador trazido pelo projeto é que ele abre a possibilidade das startups testarem as soluções inovadoras e tecnológicas, no conceito chamado de Living Labs (Laboratório Vivo).

"A Prefeitura vai poder contratar uma solução que ainda será criada. Ou seja, a partir de um problema, a startup vai propor soluções tecnológicas", exemplificou.

O projeto de Lei de Inovação é mais um dos eixos do Programa de Ativação Econômica e Social (Paes), lançado no mês passado como forma de movimentar a economia e gerar emprego e renda na cidade após a pandemia. Ainda segundo a Prefeitura, esse projeto insere o município no sistema de inovação de Campinas, composto por universidades, centros de pesquisa e parques tecnológicos.

Escrito por:

Rodrigo Piomonte/Correio Popular