Publicado 19 de Junho de 2021 - 14h37

Por Gilson Rei

O estudante Enzo Donadon e a sua medalha de prata da Olimpíada de Matemática:

Gil Rei

O estudante Enzo Donadon e a sua medalha de prata da Olimpíada de Matemática: "Na escola, eu me sinto feliz com as aulas desta disciplina e, em casa, gosto de fazer a lição, sem preguiça"

O estudante Enzo Deademe Donadon, de 11 anos, morador de Campinas, foi o segundo melhor do Brasil e recebeu a medalha de prata na Olimpíada de Matemática Canguru Brasil. A competição, realizada anualmente, é voltada aos alunos do 3º ano do Ensino Fundamental até a 3ª série do Ensino Médio de escolas públicas e particulares de todo o país.

Concorrendo com aproximadamente 50 mil estudantes em sua categoria, Enzo, que é aluno do 6º ano de uma escola localizada no Jardim dos Oliveiras, teve o segundo melhor desempenho em Matemática na categoria nível E - destinada aos alunos dos 6º anos no Ensino Fundamental II. Em decorrência da pandemia de covid-19, a prova ocorreu pelo sistema online no final do mês de março para todos os participantes, no mesmo dia e horário. O resultado foi divulgado no final do mês passado.

Enzo disse que sempre gostou de Matemática e que, ao contrário de outros estudantes, tem preferência por esta disciplina desde o início de sua alfabetização. "Desde pequeno, quando comecei a aprender os primeiros números, gostei logo de cara", afirmou. A Matemática faz parte da vida dele em quase tudo. "Na escola, eu me sinto feliz com as aulas desta disciplina e, em casa, gosto de fazer a lição, sem preguiça. Além disso, faço exercícios e estudo a matéria algumas vezes durante o dia porque meu pai incentiva bastante", comentou.

Família e Escola

O apoio da família, segundo o estudante, é um fator importante para o bom desempenho em Matemática e em outras disciplinas. "Meus pais sempre ficam muito atentos comigo e falam para eu estudar, porque é melhor ter tudo em mente quando chegar o dia da prova", revelou. A participação da escola no seu processo de formação também foi destacada por Enzo. "Fiz uma preparação para a Olimpíada com a professora da escola algumas semanas antes da prova. Ela passou o conteúdo e eu estudei matérias que aprendi em anos anteriores, além de outras que foram dadas neste ano. No dia da Olimpíada apliquei tudo o que eu sabia", explicou.

Leila Leon Sosa, diretora pedagógica da escola onde o medalhista estuda, destacou que esta foi a primeira vez que a unidade participou da competição. Segundo ela, a experiência foi satisfatória e animadora porque houve a participação de 16 estudantes dos 6º, 7º e 8º anos do Ensino Fundamental II. "Todos foram bem qualificados e o Enzo acabou se destacando na competição", disse.

Segundo Leila, a participação dos pais também contribuiu para o bom desempenho dos estudantes. "A Matemática está em tudo. A gente tem que estimular o raciocínio lógico o tempo todo, em várias atividades. Isso é feito em todas as ações da escola. Além disso, a participação da família no processo educacional facilita muito no de aprendizado", comentou.

Medalha para o futuro

Na Olimpíada, Enzo respondeu 24 perguntas em uma hora e meia. "Entreguei quando faltavam dez minutos. O resultado foi uma surpresa, uma felicidade. Não imaginava que ficaria em segundo lugar do meu nível de competição", admitiu. "No dia da entrega da medalha, eu não estava acreditando ainda que era verdade. Foi muito legal", disse o garoto. "Agora, carrego este prêmio para a vida toda e espero que venham outras medalhas", disse.

O estudante revelou que pretende fazer carreira com a Matemática. "Meu sonho é ser especialista em Informática, que tem relação um pouco com a Matemática. Tenho o sonho também de ser professor de Matemática. Quero fazer o que eu mais gosto", comentou.

Escrito por:

Gilson Rei