Publicado 12 de Junho de 2021 - 15h24

Por Mariana Camba/ Correio Popular

A chef Carol Oliveira: velas e carta dão novo sabor à experiência gastronômico/afetiva

Ricardo Lima/Correio Popular

A chef Carol Oliveira: velas e carta dão novo sabor à experiência gastronômico/afetiva

Hoje é celebrado o Dia dos Namorados, data que festeja o amor e a troca de carinho entre os casais apaixonados. Dentre as comemorações, os jantares são uma das opções mais procuradas. Em meio à pandemia, alguns chefs de cozinha desenvolveram alternativas para que o ambiente romântico dos restaurantes fosse vivenciado sem sair do lar.

Através da composição de sabores e da harmonização de produtos, os cozinheiros desenvolveram kits de pratos salgados e doces, que devem ser finalizados em casa e compartilhados entre os parceiros. A proposta é que o momento a dois se torne mais íntimo e a experiência do casal seja completa.

A chef de cozinha e proprietária de buffet de eventos, Carol Oliveira, teve a primeira experiência com a montagem dos kits para o Dia dos Namorados no ano passado, no início da pandemia. "Em 2020, os restaurantes estavam fechados nesta data, por isso recebi mais pedidos. Mas a proposta continua a mesma, fazer algo especial que possa proporcionar um momento de carinho e de troca para celebrar o amor", afirmou.

No cardápio, Carol oferece pratos salgados e doces, como as galettes de brie e o gateau de chocolate. O toque especial vem com as velas e com a harmonização dos alimentos com as bebidas. Carol começou a receber os pedidos há 15 dias. "Junto com o kit, eu encaminho uma carta, para lembrar que, na pandemia, estar em uma relação a dois é um ato de resistência", declarou.

Hoje, a ideia é trazer um novo olhar para a comemoração, informou a chef, para que a experiência ocorra de uma maneira diferente da "saída" tradicional. "Para fazer o kit, pensei em uma construção de elementos, em que cada item complementa o outro", explicou.

Para a profissional, o cuidado com o cardápio e com a preparação da comida também é uma demonstração de carinho. Desta forma, a refeição se torna um "aconchego", garantiu Carol.

A confeiteira Flávia Mota apostou nos doces para celebrar o dia do romance. Como opção de prato para ser finalizado em casa, a chef de cozinha disponibilizou em um dos seus kits a fondue de chocolate e de doce de leite. "Eu preparo e o cliente aquece em casa. A finalização entre o casal proporciona um momento diferente na cozinha, sem muito trabalho. Cozinhar é sinônimo de compartilhar", considerou.

Na composição do kit há flores, balões e bombons. Para Flávia, a possibilidade de o cliente dar o "toque final" no prato constitui um diferencial. No ano passado, a proposta era criar algo para que as pessoas pudessem desfrutar em casa, de acordo com a confeiteira. Este ano, acrescentou, o objetivo é ir além e entregar o que o casal não vai encontrar nos restaurantes.

Bares e restaurantes

A entidade que representa o setor de restaurantes e bares de Campinas informou que o Dia dos Namorados deve gerar um aumento de 50% na demanda do segmento, e comparação com o do ano passado. Cerca de 40% dos pedidos devem ser feitos através do sistema delivery. "Este ano, o cenário é de otimismo para o setor. O objetivo é atingir o crescimento esperado e atender aos casais sem aglomerações", informou a entidade. O segmento ressaltou que neste ano, com a liberação parcial de atendimento e a consolidação do delivery, a expectativa é que a data traga um alívio para os estabelecimentos.

 

 

Casados correm menos riscos de

ter doença de origem cardiovascular

Segundo o endocrinologista do Hospital PUC-Campinas, Danilo Villagelin, estar apaixonado provoca benefícios à saúde, a curto e longo prazo, devido às reações que os sentimentos geram no organismo.

"Quando estamos em um relacionamento, aumenta a produção de ocitocina, o hormônio que dá a sensação de prazer e de felicidade", explicou. Por isso, acrescentou, quem ama é mais feliz, se sente mais realizado e seguro.

Quem é casado tem menos chance de ter pressão alta que os solteiros. "Os casados correm menos risco de ter uma doença cardiovascular. Isso porque, em relacionamento saudável, a liberação do hormônio do estresse, o cortisol, diminui", explicou. Por isso, quem é casado tende a viver mais, por ter uma melhor qualidade de vida.

Segundo a psicóloga do Hospital PUC-Campinas, Alessandra Lima, todo ser humano tem a pré-disposição para se relacionar com alguém. "Somos seres sociáveis, por isso é natural. As pessoas buscam a autoaceitação no outro", explicou. De acordo com Alessandra, para que a convivência seja positiva, é necessário que ambos se conheçam como pessoas, individualmente, antes de construírem uma história.

Um bom relacionamento, acrescentou, faz com que a pessoa se torne um ser humano melhor, devido à troca que a experiência proporciona.

De acordo com a psicóloga, há diferença entre se apaixonar e amar. Durante a paixão, esclareceu, o indivíduo tende a enxergar apenas o que é bom no outro. Quando se ama, o olhar é mais realista. A pessoa entende que o outro não é perfeito, compreende os seus defeitos, mas, ainda assim, decide manter a união. (AE)

Escrito por:

Mariana Camba/ Correio Popular