Publicado 08 de Junho de 2021 - 17h30

Por Correio Popular

Interligação das rodovias D. Pedro I (SP-065) e Prof. Zeferino Vaz (SP-332), em Campinas

Divulgação/Rota das Bandeiras

Interligação das rodovias D. Pedro I (SP-065) e Prof. Zeferino Vaz (SP-332), em Campinas

Um levantamento feito pela Concessionária Rota das Bandeiras trouxe uma boa notícia aos motoristas que circulam pelas cinco rodovias que formam o Corredor Dom Pedro. Em dez anos, o número de acidentes nas estradas administradas pela empresa apresentou uma queda de 53,1%, quando comparados diretamente os dados dos anos de 2010 e 2020.

Em 2010, foram registrados 3.107 acidentes nos 297 km de rodovias sob cuidados da Concessionária, enquanto em 2020 foram 1.455 ocorrências. Além disso, no período houve uma queda de 32,8% no número de vítimas feridas, passando de 1.000 feridos em 2010 para 672 em 2020.

Com estes resultados, a Concessionária atingiu a meta estabelecida pela Agência de Transportes do Estado de São Paulo (Artesp), por meio do Programa de Redução de Acidentes, ao diminuir em pelo menos 50% o número de ocorrências na década.

Outro dado positivo apontado na pesquisa realizada pela Rota das Bandeiras mostra a queda de 26,4% na estatística de mortes. O número de vítimas fatais passou de 87 para 64, também na comparação entre os anos de 2010 com o ano passado. Segundo o gerente de Operações da Rota das Bandeiras, Thiago Alves, as ações da Concessionária foram fundamentais para os resultados.

“Nossa meta é trabalhar permanentemente pela redução dos acidentes, ampliando a segurança oferecida aos nossos usuários. Além dos investimentos na modernização e sinalização de nossas rodovias, trabalhamos também para a conscientização de nossos usuários, considerando que a falha humana ainda é o principal fator para o registro de acidentes”, disse.

Investimentos para redução de acidentes

O Corredor Dom Pedro é composto por 297 quilômetros de rodovias, tem como eixo principal a rodovia D. Pedro I (SP-065) e serve como ligação entre duas das regiões mais desenvolvidas do Estado de São Paulo: a Região Metropolitana de Campinas (RMC) e o Vale do Paraíba.

Desde 2009, quando teve início a concessão, a Rota das Bandeiras já investiu R$ 2,6 bilhões em obras de modernização e conservação do sistema viário. Entre as intervenções destacadas pela concessionária como significativas para a redução de acidentes na última década estão as duplicações de trechos que antes estavam com pistas simples. As intervenções foram realizadas nas rodovias Eng. Constâncio Cintra (SP-360), em Jundiaí; Prof. Zeferino Vaz (SP-332), em Conchal; e Romildo Prado (SP-063), em Louveira.

Durante os dez anos, também foi feita a remodelação de trevos e a segregação do tráfego urbano do interestadual com a implantação de pistas marginais na rodovia D. Pedro I (SP-065), em Campinas, entre o Trevo da Leroy Merlin e a chegada à rodovia Anhanguera (SP-330). Este é o ponto mais movimentado das estradas administradas pela Concessionária.

A instalação de dispositivos de segurança como os Terminais Absorvedores de Energia em guardrails também contribuiu para a redução de mortos e feridos. O instrumento reduz de forma significativa a possibilidade de ferimentos graves em casos de colisão.

Segurança ao usuário

Além das medidas que beneficiaram os motoristas, os pedestres formam outra parcela de usuários beneficiada pelas transformações que ocorreram no Corredor Dom Pedro. Nestes dez anos, a Concessionária investiu pesado na construção de novas passarelas. Desde 2009, o número de passagens triplicou. Atualmente, são 30 estruturas no Corredor Dom Pedro. Em outros pontos, foram instalados pontos de travessia controlada e há locais com passeio, como passagens inferiores e viadutos.

Escrito por:

Correio Popular