Publicado 08 de Junho de 2021 - 15h34

Por Correio Popular

Extensão da via foi construída seguindo o mesmo padrão do trecho inicial, com três faixas de rolamento por sentido, canteiro central, acostamento e faixa de segurança à esquerda

Divulgação

Extensão da via foi construída seguindo o mesmo padrão do trecho inicial, com três faixas de rolamento por sentido, canteiro central, acostamento e faixa de segurança à esquerda

O primeiro trecho do prolongamento da Rodovia dos Bandeirantes (SP-348) – entre Campinas e Santa Bárbara D’Oeste – completou na última quinta-feira (3/6) 20 anos de inauguração.Dividida em duas fases de 39 quilômetros cada, o prolongamento da Rodovia dos Bandeirantes ampliou a SP-348 em 78 quilômetros.

Leia também:

Para CNT, região de Campinas é exceção em um País com infraestrutura deficiente

Pesquisa indica Rota das Bandeiras como líder em investimentos na RMC

Acidentes caem 53% no Corredor Dom Pedro

A primeira etapa – cuja inauguração completa 20 anos neste dia 3 de junho - foi realizada entre junho de 1999 e maio de 2001, a partir do km 95, na região da avenida John Boyd Dunlop, em Campinas, até Santa Bárbara D’Oeste. Esta etapa representou uma importante opção rodoviária para moradores de Hortolândia, Sumaré, Santa Bárbara D’Oeste e Americana, além de oferecer uma nova conexão para a rodovia Luiz de Queiroz (SP-304), beneficiando inclusive a população da região de Piracicaba.

Já a segunda etapa da obra aconteceu entre janeiro de 2000 e dezembro de 2001, ligando Santa Bárbara D’Oeste até o km 158 da Via Anhanguera (SP-330), em Cordeirópolis. Com a inauguração das duas etapas, os moradores de Limeira e das regiões de Rio Claro, São Carlos e quem utiliza a rodovia Washington Luiz (SP-310), passaram a contar com uma nova opção de viário entre o interior, a Capital e Região Metropolitana de Campinas.

O prolongamento

Principal obra do contrato de concessão da CCR AutoBAn, o prolongamento da SP-348 representou um investimento de aproximadamente R$ 1,9 bilhão (base julho/2020). A obra foi viabilizada pela parceria entre a iniciativa privada e o poder público, por meio do Programa de Concessões Rodoviárias do Estado de São Paulo, gerenciado pela Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo).

Com a conclusão do prolongamento, desde dezembro de 2001 a Rodovia dos Bandeirantes passou a ligar a cidades de São Paulo e Campinas e o Aeroporto de Viracopos às regiões de Piracicaba, Sumaré, Santa Bárbara D’Oeste Limeira e norte/noroeste do Estado, aliviando o tráfego na Via Anhanguera (SP-330) e oferecendo uma ligação por meio de autoestrada, com geometria e traçado que favorecem o tráfego de longa distância.

Este novo trecho rodoviário contribuiu para o desenvolvimento econômico da região, favorecendo e criando condições de atratividade para empresas ligadas às áreas de tecnologia, agronegócio e logística, setores que apresentaram crescimento considerável na Região Metropolitana de Campinas nos últimos anos.

Além do benefício econômico, o novo viário também garantiu melhoria de qualidade de vida para a população dos municípios lindeiros, com a redução no tempo de deslocamento e diminuição de quase 35% no índice de acidentes do Sistema Anhanguera-Bandeirantes.

“Do ponto de vista econômico, de qualidade de vida e da segurança do tráfego, o prolongamento da Rodovia dos Bandeirantes é, sem dúvida, um dos grandes marcos da engenharia rodoviária nos últimos 20 anos. É um exemplo que mostra que o investimento em infraestrutura quando bem planejado e alinhado às necessidades regionais, traz benefícios para toda a sociedade”, afirma o diretor-presidente da CCR AutoBAn, Rogério Bahú.

Características 

O prolongamento da Rodovia dos Bandeirantes foi construído seguindo o mesmo padrão do trecho inicial inaugurado em 1978: três faixas de rolamento por sentido (entre Campinas e o cruzamento com a SP-304) e canteiro central de 11 metros, além de acostamento de 3 metros e faixa de segurança à esquerda. A velocidade diretriz é a mesma: 120 km/h, viabilizada graças ao tipo de traçado, com raios de curva que favorecem o tráfego de longa distância.

Ao todo, foram construídas 65 obras de arte especiais – entre pontos e viadutos. O destaque é a ponte sobre o Rio Piracicaba, na divisa entre Santa Bárbara D’Oeste e Limeira: o dispositivo conta com 300 metros de extensão e vão com altura suficiente para permitir a navegabilidade do rio.

O trecho conta atualmente com todos os recursos de Rodovia Inteligente (ITS), como Sistemas Analisadores de Tráfego (SAT), Câmeras de Monitoramento de Tráfego, Painel de Mensagem Variável (PMV) e Serviço SOS Usuário, com inspeções de tráfego, ambulâncias, guinchos, telefones de emergência instalados a cada quilômetro, entre outros.

Diariamente, cerca de 26 mil veículos trafegam pelo prolongamento da Rodovia dos Bandeirantes. A CCR AutoBAn realiza neste trecho, em média, cerca de 130 atendimentos de socorro mecânico por dia.

 

Rodovia Adalberto Panzan (SPI 102/330)

Antes da construção do prolongamento, a Rodovia dos Bandeirantes terminava no km 102, quando se conectava à Via Anhanguera (SP-330), em Campinas.

Com a inauguração da ampliação da rodovia, o antigo trecho entre os quilômetros 95 e 102 passou a se chamar Rodovia Adalberto Panzan (SPI 102/330). Este viário com sete quilômetros de extensão – o quilômetro 0 é o início na Via Anhanguera e o 7 é término na Rodovia dos Bandeirantes - é um dos pontos de interligação entre as duas rodovias.

Após a conclusão dos dois trechos, a Rodovia dos Bandeirantes, que inicialmente tinha 89 quilômetros de extensão, passou a contar com aproximadamente 160 quilômetros.

Imagem aérea mostra o início dos trabalhos realizados pela Cooncessionária CCR AutoBAn

Imagem aérea mostra o início dos trabalhos realizados pela Cooncessionária CCR AutoBAn

Escrito por:

Correio Popular