Publicado 05 de Junho de 2021 - 10h38

Por Edson Silva/Correio Popular

Carro encontrado pela Guarda Municipal, será investigado, porque o veículo pode ser o mesmo que o acusado disse que trocaria por uma arma

Divulgação

Carro encontrado pela Guarda Municipal, será investigado, porque o veículo pode ser o mesmo que o acusado disse que trocaria por uma arma

Uma mulher de 39 anos e sua filha de apenas 10 anos passaram por uma madrugada de terror, ontem, durante uma tentativa de feminicídio no Jardim Icaraí, em Campinas. Segundo a polícia, só a vítima e a criança, que então dormia, estavam na casa quando ela ouviu um disparo de arma no quintal.

Assustada, ela correu para acender a luz da frente da residência, mas a energia havia sido cortada. A tensão aumentou quando a mulher passou a ouvir barulhos de arrombamento na porta, que mesmo reforçada por uma corrente, não resistiu.

Na penumbra, a mulher reconheceu seu ex-companheiro, um pintor de parede, identificado como Rogério Estevam, de 33 anos, com uma arma em punho, dizendo que iria matá-la.

A reação da vítima foi tentar correr, protegendo a cabeça com os braços, para evitar ser atingida. O invasor fez vários disparos e dois deles acertaram os braços da vítima, fraturando um deles.

Ela ainda foi baleada na clavícula. Assustada, a filha acordou e entrou na frente dos tiros para defender a mãe. A menina foi atingida na barriga, ficando gravemente ferida. O criminoso fugiu do local e até ontem não havia sido localizado.

Aos policiais, a mulher não soube informar como o ex-companheiro chegou ao local, já que ele dizia que venderia o carro dele para comprar uma arma para matá-la.

Desespero

Ela contou que após os disparos, os gritos de socorro afugentaram o agressor e ela correu desesperada para uma casa vizinha, levando a filha também ferida no colo. Ficou lá até a chegada de equipes da Polícia Militar e Unidades de Resgate do Corpo de Bombeiros.

Mãe e filha foram encaminhadas ao Hospital Municipal Dr. Mário Gatti, onde ficaram internadas. A mulher, segundo informações, com estado de saúde estável. Já a criança, com ferimento grave, precisou passar por cirurgia de emergência e por ser a vítima menor de idade, não foi informado o seu estado de saúde.

Segundo parentes, a mulher baleada junto com a filha já havia sido vítima de violência do companheiro, com um registro na polícia realizado na época. Ela estava com uma medida protetiva contra ele.

O caso foi registrado na 2ª Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Campinas, onde as investigações prosseguem.

Carro apreendido

O proprietário de carro apreendido ontem por guardas municipais está sendo objeto de investigação para se apurar se o veículo pode ser o mesmo que o acusado da tentativa de feminicídio dizia que trocaria por uma arma para cometer o crime.

A polícia busca informações também de que o acusado teria descumprido a medida protetiva ao se aproximar da ex-companheira na última terça-feira, 1° de junho.

Equipes da Polícia Civil estiveram em endereços informados como possíveis paradeiros do acusado da tentativa de feminicídio, mas, até o momento, sem êxito em sua localização. O caso segue em segredo de Justiça.

Escrito por:

Edson Silva/Correio Popular