Publicado 03 de Junho de 2021 - 12h10

Por Mariana Camba/Correio Popular

Julia Nascimento Moreira, 23 anos, no Hemocentro:

Diogo Zacarias/Correio Popular

Julia Nascimento Moreira, 23 anos, no Hemocentro: "é a primeira vez que venho doar sangue, me sinto feliz"

Nas estações de outono e inverno, o Banco de Sangue do Hemocentro da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) enfrenta um grave problema com a queda nas doações de sangue. Uma das razões para essa queda são as condições climáticas, segundo o médico Vagner de Castro, diretor do Serviço de Coleta. Com a baixa nas temperaturas, as pessoas têm menos disposição para sair de casa, inclusive para doar sangue.

Durante as épocas mais frias do ano, as doações caem até 30%. Com a pandemia, a situação complicou ainda mais, com o impacto negativo sobre o comparecimento de doadores, como ressalta Castro: "Com o número baixo de pessoas que vem até o Hemocentro, não consigo fazer uma previsão de aumento das doações ou se tiver, não será tão significativo".

O Hemocentro mantém estoque médio de três a quatro dias para o atendimento das demandas hospitalares, mas o ideal é uma média de cinco dias consecutivos. Entretanto, o consumo de sangue permanece, tanto para as urgências e emergências quanto para pacientes que dependem da transfusão para sua sobrevivência.

Campanha

Para incentivar todas as formas de apoio à doação de sangue, o Hemocentro da Unicamp promove a campanha "Julho Vermelho", com uma maratona de doação no posto de atendimento, que funcionará das 7h30 às 19h30, com show de iluminação ao final do evento. O Ministério da Saúde promove a iniciativa, para conscientização sobre a importância da doação. A data foi estabelecida para todo o país, e escolhida pelo dia 14 de junho, quando é comemorado o Dia Mundial do Doador de Sangue.

Com um evento inovador nesta área, a campanha contará com a primeira corrida e caminhada virtual, "Movimente-se: Sangue Salva", que tem como padrinho o medalhista olímpico, Vanderlei Cordeiro. Durante o mês, os inscritos na corrida ou caminhada, devem realizar um percurso, sem realizar aglomeração e respeitando as restrições sanitárias.

A campanha é realizada para mostrar às pessoas que doação de sangue é um ato de vida e saúde, tanto para quem doa, quanto para quem recebe. A iniciativa tem mostrado resultado, como é o caso das amigas, Jéssica Brito Alves dos Santos, 25 anos, e Julia Nascimento Moreira, 23 anos. "É a primeira vez que venho doar sangue, me sinto bem e feliz", diz Jéssica.

Incentivada pelas amigas, Julia descreve a experiência: "achei o processo muito tranquilo, o enfermeiro simpático, que conversou comigo durante todo o processo, acredito que a doação seja essencial, ficamos ali 15 minutos parados e acabou, e saber que este pequeno gesto pode salvar três vidas é fantástico".

Como doar

O Hemocentro da Unicamp atende doadores por meio do agendamento prévio ou por demanda espontânea, mas a orientação é que os doadores reservem o horário de atendimento com antecedência para evitar aglomerações no local.

Para doar é necessário ter entre 16 e 69 anos e pesar no mínimo 50 quilos. Para quem tem menos de 18 anos é preciso ir com um responsável. Caso a pessoa faça uso de algum medicamento ou tenha algum tipo de doença, ela passará por uma avaliação pelos profissionais do Hemocentro.

Escrito por:

Mariana Camba/Correio Popular