Publicado 02 de Junho de 2021 - 15h39

Por Kátia Fonseca/Correio Popular

Após apresentação da peça, ambientalistas debaterão com atores e público temas ligados aos rios, à fauna e à flora

Divulgação

Após apresentação da peça, ambientalistas debaterão com atores e público temas ligados aos rios, à fauna e à flora

A celebração do Dia Mundial do Meio Ambiente, neste 5 de junho, ganha uma aliada de peso: a arte. O grupo cênico-musical Último Tipo, que está em cartaz virtualmente com o espetáculo Rio que Passa Lá, contando muitas aventuras sobre o rio Tietê, receberá convidados ligados à defesa do meio ambiente para um bate-papo no canal do grupo no Youtube e no Facebook nesta sexta e sábado (dias 4 e 5 de junho), após a exibição da peça.

"A arte faz um caminho sem barreiras até o coração das pessoas", afirma Edgar William dos Santos, fundador da editora Livrearte. "A arte é um veículo fantástico de aproximação com a realidade ambiental", acredita Angela Podolsky, presidente do conselho da ONG Apaviva. "Se não emocionar, a gente não transforma. Por isso, a arte é uma aliada poderosíssima para tocarmos as pessoas onde queremos, no coração", garante José Roberto Marinho Bueno, um dos fundadores da do Rios & Ruas, ao lado de Luiz Campos. Estes serão os convidados do bate-papo com o elenco do Último Tipo para homenagear o Dia do Meio Ambiente.

No espetáculo teatral, o rio Tietê ganha corpo e voz de um viajante que segue em direção ao Interior do Estado de São Paulo. Nesse percurso, em diferentes paisagens, o rio segue pedindo socorro e revela as lendas e tradições da cultura popular do Interior paulista que ganham vida na musicalidade e interpretação irreverente dos artistas do Último Tipo.

"A gente escolheu exibir o espetáculo nesta primeira semana de junho e convidar pessoas ligadas à defesa do meio ambiente para chamar a atenção do público em geral sobre a importância da preservação das águas de nossos rios, do meio ambiente e da cultura em nosso país", explica Jara Carvalho, criador do grupo cênico musical, junto com Déo Pitti e Velu Carvalho. Além dos três, Lya Bueno integra o elenco atual do Último Tipo.

Bate-papos

Nesta sexta-feira (4), o espetáculo será transmitido às 10h e o público poderá acompanhar a conversa com Angela Podolsky. A ativista ambiental apresentará um panorama sobre a situação do Rio Atibaia, que passa pelo município de Campinas e é responsável pelo abastecimento de 95% da população. Ângela começou a trabalhar na conservação ambiental em 2010, junto à Mata Ribeirão Cachoeira. Neste mesmo ano, Ângela, junto com um grupo de pessoas, criou a Associação dos Amigos da Área de Proteção de Campinas - APAVIVA. "Moro na sede da APA de Campinas, dentro da floresta - eu sou a floresta!", orgulha-se a ativista.

Ainda na sexta-feira, terá uma segunda sessão do espetáculo, às 16h, e o convidado para a live será Edgar W. Santos, escritor, editor e gestor público. Ele coordenou a implantação de políticas de desenvolvimento local sustentável em diversos municípios paulistas, incluindo a Capital. Atualmente morando em Campinas, no ano passado ele criou a editora Livrearte na cidade. "A grande pegada da nossa editora é, além de trazer as pessoas para dentro dessa consciência ambiental, estimular para que elas escrevam sobre esse tema. Queremos promover o chamado bom contágio''.

Sábado, 5 de junho, no Dia Mundial do Meio Ambiente, a exibição do espetáculo será às 20h e os atores do Último Tipo receberão como convidados o arquiteto e urbanista José Bueno e o geógrafo Luiz Campos Jr., criadores do Rios & Ruas, de São Paulo. O projeto revela a presença de rios e riachos vivos sob as cidades para estimular a necessária transformação dos cidadãos a respeito de suas realidades urbanas.

"Desde 2010, quando criamos o projeto, não paramos de conversar e caminhar pelas cidades. Queremos revelar essa realidade sonegada, que a população em geral não tem conhecimento, que é a riqueza hídrica da cidade", diz o arquiteto e urbanista Bueno.

Em parceria com o Estúdio Laborg, o Rio & Ruas produziu a exposição Rios Descobertos, que durante dois anos percorreu diversas unidades do Sesc-SP, entre elas Vila Mariana, Pinheiros, Carmo, Piracicaba, Campinas e Jundiaí. "Começamos o nosso projeto tendo em vista o número de rios cadastrados pela Prefeitura de São Paulo, que era 300. Mas, hoje, a gente já tem falado em 800 rios. Muitos são pequenos cursos ou afloramentos de água, mas todos são formadores de rios", explica José Bueno.

Último Tipo

Com uma trajetória bem-sucedida, o Último Tipo, criado em Goiânia há 33 anos e radicado em Campinas há 25, já soma um extenso repertório de peças que misturam música e teatro de forma inusitada e poética. O bom humor, a interatividade e a irreverência também são marcas fundamentais do grupo, que tem no seu espírito o teatro mambembe e o clown, fazendo, inclusive, apresentações de rua e itinerantes à moda dos trovadores medievais.

Déo Piti, Jara Carvalho, Velu Carvalho, Lya Bueno e Lóra Brito têm nos arranjos vocais sua base. Mas também utilizam muita percussão, que inclui instrumentos inusitados, como espátula de pedreiro, suporte de toalhas, concha de cozinha, cabaças, chocalhos de bebê, além de alguns que o próprio grupo cria.

O grupo já realizou mais de 2.000 apresentações por 10 estados brasileiros, em mais de 150 cidades diferentes, em espaços como teatros municipais, centros culturais, escolas, festivais, além de diversas unidades de Sesc e Sesi. Hoje, tem 11 espetáculos em seu repertório, sendo sete infantis, dois adultos e dois para todas as idades. Mas, em toda a sua trajetória, já montou 27 espetáculos. Gravou dois CDs, um álbum para streaming e um DVD.

A trupe já ganhou mais de 30 prêmios com diversos espetáculos, músicas, clipes, trilhas de filmes, além de ter sido contemplado com fundos de investimento municipais e patrocínios de diversas empresas.

 

LIVES E CONVIDADOS

Confira os convidados que participarão das lives com o grupo Último Tipo, sempre após a apresentação do espetáculo Rio que Passa Lá.

Sexta-feira (dia 4)

10h: Angela Podolsky, presidente do conselho da ONG Apaviva

16h: Edgar W. Santos, escritor, editor e gestor público.

Sábado (dia 5),

20h: José Bueno e Luiz Campos Jr, fundadores do projeto Rios & Ruas

SERVIÇO

Onde assistir:

Canal Youtube Último Tipo - www.youtube.com/ultimotipo

Página Facebook Último Tipo -  https://www.facebook.com/grupoultimotipo

 

Escrito por:

Kátia Fonseca/Correio Popular