Publicado 02 de Junho de 2021 - 13h18

Por Da redação

Mais um lote de vacinas da Pfizer chegou ontem à noite em Viracopos: carga segue para o Ministério da Saúde

Diogo Zacarias/Correio Popular

Mais um lote de vacinas da Pfizer chegou ontem à noite em Viracopos: carga segue para o Ministério da Saúde

O prefeito de Campinas, Dário Saadi, informou ontem em uma live que o município está no limite para a explosão da terceira onda do coronavírus. Mas, ainda assim, nenhuma medida restritiva foi divulgada pela Administração. Segundo Saadi, a ocupação de leitos na cidade, que ontem atingiu 93,73%, ainda não se assemelha ao pico registrado em março. O secretário de Saúde, Lair Zambon, justificou a decisão do município de manter as mesmas restrições.

"A análise dos indicadores precoces deu certo. A decisão de manter as mesmas restrições se deu ao analisarmos a mesma fonte de dados", informou Zambon.

O secretário ressaltou que o município está "no limite" do ponto de vista da assistência hospitalar. De acordo com ele, se uma pessoa sofrer um acidente, ela vai ter dificuldade de ser internada em Campinas.

"A cidade estánuma fase extremamente complexa", declarou.

De acordo com o secretário de Justiça, Peter Panutto, o município vai continuar seguindo as regras do governo do Estado, com a manutenção da taxa de ocupação dos estabelecimentos em 40%, e do horário de funcionamento das 6h às 21h, até 13 de junho. "Se houver o apontamento de um crescimento acima do esperado, o prefeito vai determinar a publicação de um decreto mais restritivo antes do dia 13", informou Panutto.

O secretario de Justiça pontuou que hoje será publicado um decreto de calamidade pública no Diário Oficial. "Como em um momento de pandemia as receitas diminuem e as despesas aumentam, é importante que o Poder Executivo tenha respaldo da Lei de Responsabilidade Fiscal para prestar contas", esclareceu.

Dia D

A Prefeitura anunciou que nesta sexta-feira, dia 4, haverá o segundo Dia D da vacinação contra o novo coronavírus, com a disponibilidade de 62 centros de saúde e cinco centros de imunização. Segundo a diretora de saúde, Deise Hadich, o município vai aproveitar o feriado prolongado para aplicar até 26 mil doses do imunizante. Cerca de 1.200 profissionais vão atuar na preparação e aplicação das vacinas.

A diretora do Departamento de Vigilância em Saúde (Devisa), Andrea Von Zuben, ressaltou que virá uma remessa da vacina Pfizer para Campinas, e que há uma grande possibilidade disso ocorrer na próxima semana. Mas, até o momento, não há uma data definida para que as doses cheguem. 

Escrito por:

Da redação