Publicado 01 de Junho de 2021 - 13h04

Por Edson Silva/Correio Popular

Judá, cão de faro da PM de Piracicaba, indicou onde a droga estava e os policiais retiraram a cobertura que escondia os tabletes

Fotos: Polícia Militar /10° Baep

Judá, cão de faro da PM de Piracicaba, indicou onde a droga estava e os policiais retiraram a cobertura que escondia os tabletes

A Polícia Federal de Piracicaba está investigando a maior apreensão de drogas em quantidade e valor realizada, na noite do último sábado, pela Polícia Militar da cidade citada, de 360 tabletes de cocaína pura, 388 quilos, escondidos na carga de um caminhão, cuja origem era a cidade goiana de Itumbiara. O caso é possivelmente de tráfico internacional e interestadual na região, incluindo a chamada “Rota Caipira”. A carga de entorpecentes foi avaliada em R$ 10 milhões.

A ação ficou à cargo dos policiais militares do 10º Batalhão de Ações Especiais de Polícia (Baep), sediado em Piracicaba. Segundo os PMs, durante o patrulhamento de ações especiais, eles receberam informação de que um caminhão, aparentemente roubado, estava há dois dias parado em um posto de combustíveis, na Rodovia Anhanguera (SP-330), no Jardim Nova Limeira.

A equipe aguardou até que alguém se aproximasse do veículo e abordou o motorista, que apresentou divergências e ficou bastante nervoso ao não conseguir explicar a origem do caminhão ou a respeito da carga que carregava.

Os PMs então solicitaram apoio do Canil da corporação e o cão de faro, Judá, indicou odor específico de drogas no teto do veículo, por meio das saídas de ar.

Questionado, o motorista confirmou que havia 360 tabletes de drogas no teto do caminhão e que estava vindo de Itumbiara rumo ao estado de São Paulo, onde os entorpecentes seriam distribuídos.

Ao vistoriarem o veículo, os policiais encontraram as centenas de pacotes de drogas escondidas sobre a carga. O motorista foi preso em flagrante e apresentado junto com a carga na Polícia Federal de Piracicaba.

O caminhão, um Volvo/FH 12, estava sob responsabilidade de um caminhoneiro de 57 anos, que disse aos policiais que receberia cerca de R$ 10 mil para fazer o transporte da droga desde o estado de Goiás até a cidade de Guarulhos. Preso em flagrante por tráfico interestadual, ele não revelou quem o contratou, mas a Polícia Federal acredita em envolvimento de uma organização criminosa, visto que o volume de droga, possivelmente requereu grande estrutura para várias funções envolvendo armazenamento, carregamento, comercialização.

Somente a droga bruta foi avaliada em R$ 10 milhões no submundo do tráfico, segundo a polícia. Também se considera nesse caso a questão de tráfico internacional, já que o Brasil não tem tradição de ser país produtor de cocaína.

Guarulhos

É investigada a hipótese de que parte da droga seria distribuída no interior de São Paulo ou mesmo a outros países, visto que o destino final, segundo o suspeito preso, era Guarulhos, cidade onde está o conhecido aeroporto internacional paulista.

A polícia constatou que o motorista da carreta não tinha antecedente criminal e o acusado ficou preso à disposição de Justiça e está sujeito a uma pena de 5 a 15 anos de cadeia.

Balanço

Em operação desde o início de 2020, o 10º Baep de Piracicaba tirou de circulação, no ano passado mais de uma tonelada de drogas na região.

Inaugurado em 19 de dezembro de 2019, o Batalhão atua em ocorrências consideradas mais graves em 52 municípios atendidos pelo Comando de Policiamento do Interior (CPI-9), sediado em Piracicaba.

Das 20 cidades de Região Metropolitana de Campinas (RMC), nove delas estão sob responsabilidade dos CPI (9) e do Departamento de Polícia do Interior Deinter-9, ambos em Piracicaba, e 11 sob responsabilidade dos CPI (2) e do Deinter-2, ambos em Campinas.

No primeiro ano de atividade, o 10° Baep de Piracicaba participou de 450 prisões, realizou dez operações em conjunto com o Ministério Público, Polícia Federal e Polícia Civil, que resultaram na prisão de cerca de 63 criminosos acusados de ligação com o Primeiro Comando da Capital(PCC), principal facção do crime organizado que atuaria em São Paulo e em alguns outros estados e em fronteiras com países da América do Sul.

Neste ano de 2021, ainda não há balanço de apreensões do 10º Baep, mas a de 360 tabletes de cocaína já figura entre as maiores já ocorridas nas regiões de Piracicaba e Campinas.

Escrito por:

Edson Silva/Correio Popular