Investigação descarta denúncias contra soldados britânicos por crimes no Iraque

Publicado 02/06/2020 09:40:05 - Atualizado 02/06/2020 09:44:50

AFP

Uma investigação britânica independente descartou milhares de denúncias contra soldados britânicos acusados de terem cometido crimes de guerra no Iraque entre 2003 e 2009 - anunciou o responsável pelo processo nesta terça-feira (2).

O diretor da Service Prosecuting Authority (órgão correspondente ao Ministério Público), Andrew Cayley, explicou à BBC que sua investigação independente descartou quase todas as acusações, principalmente devido à falta de provas e ao "baixo nível" das supostas infrações.

Apenas um caso ainda está sob investigação, disse ele, mas é "muito possível" que nenhuma das acusações originais seja processada.

O Exército britânico participou da invasão do Iraque em 2003, como parte de uma coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, e manteve suas tropas no país, depois sacudido por uma insurreição islâmica.

Nos últimos anos, mais de 400 prisioneiros iraquianos entraram em contato com o Centro Europeu de Direitos Constitucionais e Humanos (ECCHR, na sigla em inglês), com sede em Berlim, e com o escritório Public Interest Lawyers, com sede em Birmingham, no norte da Inglaterra, para denunciar "maus-tratos e humilhações graves por parte de soldados britânicos".

As acusações incluíam estupro, tortura, simulação de execução e outras atrocidades.

Os dois órgãos pediram uma investigação independente no Reino Unido e, em paralelo, encaminharam a questão ao Tribunal Penal Internacional (TPI).

Carley considerou, porém, pouco provável que a investigação em separado do TPI leve a medidas concretas.

"Esta caça às bruxas finalmente chegará ao fim", disse Hilary Meredith, advogada que representa alguns dos soldados alvos dessas acusações, solicitando um pedido público de desculpas pelos "vis insultos dos crimes de guerra".

Em 2012, o Ministério britânico da Defesa afirmou ter pago 15,1 milhões de libras (19 milhões de dólares) a mais de 200 iraquianos que acusavam soldados britânicos de detenção ilegal e tortura.

zak-acc/zm/tt


Escrito por:

AFP

RECOMENDADAS