Publicado 12 de Janeiro de 2022 - 18h43

Por Felipe Rosa Mendes

Com atuação decisiva dos brasileiros, incluindo gol de Vinicius Junior, o Real Madrid fez valer o melhor momento e eliminou o Barcelona na semifinal da Supercopa da Espanha, nesta quarta-feira. O time madrilenho venceu por 3 a 2, na prorrogação, após empate em 2 a 2 no tempo normal, e avançou à final do torneio disputado em Riad, na Arábia Saudita.

Os brasileiros foram protagonistas do duelo. Vinicius Junior marcou o primeiro gol da partida, enquanto Rodrygo e Casemiro participaram do terceiro e decisivo gol do Real. Éder Militão, por outro lado, falhou nos dois gols do Barcelona, que fez partida digna apesar da fase difícil e de reconstrução.

O rival do Real será definido nesta quinta, no confronto entre Atlético de Madrid e Athletic Bilbao. A final está marcada para domingo.

O Real entrou em campo com o Militão, Casemiro e Vinicius Junior, ambos na expectativa pela convocação da seleção brasileira na quinta. O Barcelona estreou o atacante Ferran Torres, sua principal contratação para a temporada. Memphis Depay entrou somente no segundo tempo.

O duelo colocou frente à frente duas equipes em momentos bem distintos na temporada. Se o Real vive seu melhor momento, "pronto" e equilibrado em todos os setores, o Barça é uma equipe em formação, com técnico novo, jogadores pouco experientes em campo e muitas apostas.

Apesar desse contraste, o tradicional clássico espanhol foi mais equilibrado do que se imaginava. Mais organizado, o Real começou melhor e, aos 11, Vinicius Junior já botava a defesa inteira do Barcelona para correr. Ele disparou pela direita, apesar de estar acostumado a atuar pelo lado oposto, entrou na área e exibiu a primeira intervenção do goleiro Ter Stegen.

Em seu melhor momento no Real, o atacante brasileiro não perdoou em sua segunda oportunidade. Aos 24, Benzema roubou a bola no meio-campo e acionou rapidamente Vinicius Junior, que conteve a marcação, entrou na área e bateu na saída do goleiro da equipe catalã.

Sem o mesmo poder de fogo, o Barcelona respondia como podia. Com Ferran Torres discreto, a aposta era em De Jong, no tradicional "chuveirinho" na área. Foram dois lances quase idênticos de perigo razoável, em menos de dois minutos, aos 29 e aos 31. De cabeça, ele fazia Courtois trabalhar.

O empate veio num lance quase de sorte. Após cruzamento rasteiro de Dembélé, Militão tentou desviar, mas mandou contra as pernas de De Jong. A bola rebateu no jogador do Barça, acertou a trave e entrou, aos 41 minutos.

A igualdade no placar não refletia o jogo, com ligeiro domínio do Real. Mas isso mudou no segundo tempo. O Barcelona voltou melhor, mais concentrado e ofensivo. O time de Madri parecia apático, à espera do rival para tentar resolver a partida no contra-ataque. A chance veio aos 23, quando Benzema acertou o pé da trave.

Três minutos depois, o francês precisou de duas oportunidades para deixar o Real na frente novamente. Na primeira, finalizou dentro da área, exigindo bela defesa de Ter Stegen. Carvajal pegou o rebote, cruzou rasteiro da direita e o próprio Benzema completou com facilidade para as redes, sozinho na pequena área.

Mais uma vez atrás no placar, o Barcelona não se abateu. Com Depay em Ansu Fati em campo, buscou novamente o ataque. E, aos 38, Fati decidiu, decretando novo empate no marcador e forçando a prorrogação.

No tempo extra, o Real decidiu no primeiro tempo, numa jogada de sul-americanos, com participação decisiva dos brasileiros. Casemiro iniciou o lance, que teve assistência de Rodrygo, corta-luz de Vinicius Junior e finalização do uruguaio Valverde na entrada da área, vindo de trás, aos 7 minutos.

No segundo tempo, o time catalão até impôs pressão, mas esteve longe de levar maior perigo diante da defesa madrilenha.

Escrito por:

Felipe Rosa Mendes