Publicado 12 de Janeiro de 2022 - 10h53

Por Altamiro Silva Junior

As empresas captaram R$ 596 bilhões no mercado de capitais do Brasil em 2021, recorde histórico da série monitorada pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). O volume representa um crescimento de 60% em relação aos níveis de 2020, ano marcado pelo início da pandemia, e de 38% na comparação com 2019.

Das captações de 2021, R$ 128,1 bilhões foram com ações, incluindo via aberturas de capital (IPO, na sigla em inglês), nível também recorde. Os IPOs renderam R$ 63,6 bilhões. Outros R$ 468 bilhões foram via renda fixa e outros instrumentos, como fundos de recebíveis e certificados de recebíveis.

Na renda fixa, destaque para as emissões de debêntures, que bateram em R$ 253,4 bilhões, mais que o dobro dos negócios de 2020, que somaram R$ 121 bilhões. As debêntures incentivadas, voltadas para projetos de infraestrutura, movimentaram R$ 47,3 bilhões, crescimento de 70% em relação ao ano anterior e também o maior número da série histórica da Anbima.

Enquanto as emissões de ações se concentraram na primeira metade do ano, com o mercado se fechando a partir de agosto, as emissões de debêntures seguiram firmes até dezembro, e com prazos longos. No último trimestre de 2021, mais de 44% das emissões desses papéis saíram com prazos acima de 7 anos, segundo a Anbima.

"Foi um ano espetacular", disse em entrevista à imprensa nesta quarta-feira o vice-presidente da Anbima, José Eduardo Laloni. "Não foi só uma classe de ativos que foi destaque, foi o mercado como um todo." O executivo destacou ainda o alongamento dos prazos das captações no ano passado. Em média, 20% desses papéis tiveram prazos de 10 anos ou mais.

Escrito por:

Altamiro Silva Junior