Publicado 03 de Janeiro de 2022 - 13h06

Por Redação O Estado de S. Paulo

O avanço da variante Ômicron da covid-19 no Hemisfério Norte levou diversos países a bater recorde de contágios no feriado de Natal e mobilizou governos dos Estados Unidos, Alemanha, França, Itália e Reino Unido a planejar novas medidas contra a nova cepa do vírus. Em paralelo, o cancelamento de voos provocado pelo impacto do surto em trabalhadores do setor aéreo nesses países ainda afeta o transporte aéreo nesses países, com mais de 2 mil viagens suspensas só nesta segunda-feira, 27.

A França e o Reino Unido superaram nos últimos dias a marca de 100 mil casos diários, enquanto os Estados Unidos passaram de 200 mil.

Outros recordes de contágio foram batidos também na Irlanda, Itália e na Austrália. Autoridades norte-americanas temem que o número de casos ultrapasse 1 milhão por dia, um número quatro vezes maior do que o pior momento da pandemia no país até agora.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, fará uma reunião nesta segunda-feira na Casa Branca com a equipe de combate à pandemia e governadores para desenhar um plano de ação contra a variante Ômicron.

O setor aéreo norte-americano vive uma série de cancelamentos de viagens nos últimos dias em virtude do contágio de equipes de comissários, pilotos e pessoal de apoio em aeroportos. Só nos Estados Unidos, foram 800 cancelamentos na manhã desta segunda-feira.

A situação em alguns Estados, principalmente na costa leste e no sul dos Estados Unidos é preocupante. "Estamos falando de festa de ano-novo e eu recomendo de maneira muito firme que é melhor ficar longe delas este ano", disse o principal assessor de Biden para a pandemia, Anthony Fauci. "Precisamos ser extremamente cuidadosos."

A situação se agrava também na Europa, onde a França deve decidir ainda nesta segunda-feira sobre novas medidas de restrição depois de ter ultrapassado 100 mil casos por dia. A tendência é um endurecimento nas regras do passaporte sanitário, permitindo atividades de lazer apenas para quem estiver vacinado completamente. O governo francês estuda também um toque de recolher na noite de ano-novo para impedir aglomerações.

A Alemanha decidiu limitar atividades públicas e privadas para deter o avanço da Ômicron, mesmo com uma tendência de queda nos contágios para os próximos dias.

A Itália decidiu antecipar o prazo da dose de reforço para quatro meses. COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Escrito por:

Redação O Estado de S. Paulo