Publicado 02 de Janeiro de 2022 - 7h51

Por Redação O Estado de S. Paulo

A Coreia do Sul informou na noite da quinta-feira (sexta-feira, 24, no horário local) que concederá um perdão especial à ex-presidente Park Geun-hye, que está cumprindo uma longa pena de prisão por suborno e outros crimes. O Ministério da Justiça afirmou em nota que o perdão de Park visa a superar as divisões nacionais e promover a unidade diante das dificuldades causadas pela pandemia de coronavírus.

Park foi detida e enviada para a prisão em 2017, após ser afastada do cargo após um escândalo de corrupção desencadear meses de grandes protestos de rua. Sua destituição marcou uma queda impressionante em desgraça para a primeira presidente mulher e ícone conservador.

Em janeiro, a Suprema Corte da Coreia do Sul manteve sua pena de prisão de 20 anos. Ela poderia passar 22 anos atrás das grades porque também foi condenada por interferir nas nomeações de seu partido antes das eleições parlamentares de 2016.

Park é filha do presidente autoritário Park Chung-hee, assassinado no cargo em 1979. Ela foi eleita no fim de 2012 em uma onda de apoio dos conservadores que celebram seu pai como um herói que tirou o país da pobreza apesar da supressão dos direitos civis.

Foi cassada por legisladores em dezembro de 2016 e formalmente removida em março de 2017, depois que o Tribunal Constitucional manteve o impeachment.

Entre as principais acusações que ela enfrentou estava o conluio com sua confidente de longa data, Choi Soon-sil, para receber milhões de dólares em subornos e extorsão de alguns dos maiores grupos empresariais do país, incluindo a Samsung, enquanto ela estava no cargo.

Ela foi sucedida por Moon Jae-in, um liberal que venceu uma eleição especial após seu impeachment.

"Incluímos a ex-presidente Park para superar a infeliz história passada, perceber a unidade das pessoas e fornecer uma chance de dar um novo passo em direção ao futuro", disse o ministro da Justiça, Park Beom-Kye, em uma entrevista coletiva.

A decisão foi tomada em um momento em que muitos apoiadores e políticos do principal partido conservador, o Poder do Povo, pediram o perdão de Park antes da eleição presidencial de março.

Os legisladores da oposição disseram que Park teve problemas de saúde enquanto estava na prisão, incluindo ter de ser submetida a uma cirurgia no ombro. COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Escrito por:

Redação O Estado de S. Paulo